A Ressurreição de Cristo e a Missão da Igreja

(Autor: Bispo José Ildo Swartele de Mello)

Jesus ressuscitou. A ressurreição é, por excelência, a mãe de todas as transformações.i Pois fala do tremendo poder do Espírito de Deus de produzir mudança da morte para a vida. A morte não tem a última palavra. O Evangelho é boa notícia de esperança e vitória sobre o mal no mundo.

Jesus, ressuscitado, declarou que tinha todo o poder no céu e na terra e enviou os seus discípulos ao mundo com a Missão de fazer discípulos em todas as nações do mundo (Mt 28.19-20). Jesus, após sua ressurreição, passou 40 dias ensinando aos seus discípulos acerca do Reino de Deus (At 1.3), o que revela a importância do tema do Reino para o Cristo Ressuscitado.

A ressurreição de Jesus ensina que Deus tem a última palavra. É o Triunfo do amor e da vida. Ef 1.15ss. Cumprido, tudo está debaixo dos seus pés. Exaltado sobre todos. Na ressurreição de Jesus já foi manifesto o seu poder universal. Ele ora para que este mesmo poder se manifeste nos seguidores de Jesus Cristo. Rm 8. Deus submeteu todas as coisas a Cristo e o deu como cabeça de todas as coisas a Igreja. A Igreja é esta comunidade que reconhece que Jesus é o Senhor de todos e que vive para servir a Deus neste mundo, continuando a missão daquele que é o cabeça.



iMyers, Bryant L. Caminar con Los Pobres. Manual teórico-prático de desarrollo transformador. Buenos Aires: Kairós. 2002. P. 39.





Comentários

  1. Nobre Bispo,
    Tenho a impressao que, no ministerio de Jesus Cristo, alguns milagres que Deus operou, no VT, é repetido em uma escala similar ou maior, como um grande testemunho de que Jesus verdadeiramente era o Messias.
    Posso citar, como exemplo:
    1 - A multiplicaçao de pães, realizada por Eliseu;
    2 - Os quarenta dias de jejum no deserto, como ocorreu com Moises e Elias;
    3 - A ressurreiçao do filho da sunamita, atraves do profeta Eliseu; e
    4 - A restauraçao da lepra de Naamã, atraves do profeta Eliseu.
    Assim sendo, a passagem que fala de um terremoto, por ocasião da morte de Cristo, no qual corpos de santos sao ressuscitados e, depois da ressurreiçao d'Ele, entram em Jerusalém (Mateus 27:51-53), parece se tratar, tao somente, de um evento semelhante ao que està registrado em 2 Rs 13:21, quando um homem morto é lançado na sepultura de Eliseu, e, ao cair nela e tocar os ossos de Eliseu, o homem reviveu e se levantou sobre os seus pés.
    A meu ver, tais pessoas ressurretas, de Mateus 27: 51-53, viveram por um tempo determinado e, depois que testificaram a respeito do poder de Deus e do Seu Cristo, eles morreram novamente e foram sepultados, exatamente como ocorreu com o homem que ressuscitou na ocasiao registrada em 2 Rs 13:21.
    Deus te abençoe!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Marcelo! Muito bem observado! Concordo plenamente! Muito obrigado por sua preciosa colaboração! Valeu!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

Lições extraídas da história de Mefibosete

A Igreja passa pela Grande Tribulação?