Pular para o conteúdo principal

O Espírito Santo, a Criação e a Nova Criação

(Autor: Bispo José Ildo Swartele de Mello)

Vimos também como o Espírito Santo atuou de maneira ativa no próprio ministério de Cristo, ungindo-o e capacitando-o para o exercício de sua missão integral (Lc 4.1, 18). É interessante notar que a própria missão de regeneração, que é uma especialidade do Espírito Santo, está relacionada à obra da Criação, pois faz parte do plano de restauração do propósito original de Deus. A regeneração é a recriação da imagem de Deus no indivíduo (2 Co 3.18; 1 Co 15.49, Co 3.10 e Rm 8.29), restauração da justiça e do amor na sociedade, desfazer as obras do diabo, com o propósito de colocar todas as coisas debaixo dos pés de Jesus (1 Jo 3.8; Ef 1.10, 22; 1 Co 15.27; Hb 2.8:10.13). O Espírito Santo teve um papel preponderante na criação (Gn 1.2) e agora tem um extraordinário papel na nova criação em Cristo (Mt 1.20; Jo 3.5; Tt 3.5). O seu papel de transformar o indivíduo e de o capacitar para ser testemunha de Cristo, um agente do Reino de Deus, através do seu poder regenerador e transformador da realidade em todas as suas facetas. O Livro de Atos mostra como o Espírito Santo lidou com os primeiros discípulos que demonstraram covardia ao fugir por ocasião da prisão de Jesus e os transformou em intrépidas testemunhas de Cristo mesmo em face da própria morte.

No Antigo Testamento, o Espírito Santo aparece já no segundo versículo de Gênesis. O verbo indica que o Espírito Santo estava como que chocando ou incubando, tendo uma participação ativa na criação. E, no Evangelho de João, vemos a relação de Gênesis com a doutrina da encarnação. Observe o papel da Trindade na criação. Precisamos recuperar o ensino de que o Espírito Santo estava e está ativo na criação e não somente na Igreja! Ninguém pode conhecer a Deus sem a ação do Espírito no Mundo. Restringimos demasiadamente a ação do Espírito à esfera da Igreja. O Espírito Santo atua no mundo para convencimento (João 16.5-11). Vemos aí, a ação do Espírito Santo em relação à vida humana mesmo antes da conversão e não apenas na vida dos crentes. O Espírito Santo é mediador entre a ação de Deus e a criação e a história humana. O Espírito Santo é aquele que aperfeiçoa toda a criação. Não diz respeito apenas aos seres humanos, mas a totalidade da criação (Rm 8). A criação geme, porque deseja ser libertada da escravidão. A Shalom significa harmonia com Deus, consigo mesmo, com o próximo e com a criação. O efeito da queda afetou estas 4 dimensões da relação humana. O relato que encontramos em Gênesis 3.16 não é prescritivo, mas descritivo dos efeitos da queda. Uma das conseqüências da queda se revela no texto que diz que o homem vai dominar sobre a mulher, pois este não era o propósito original de Deus, mas foi uma ruptura da relação entre o homem e a mulher provocada pelo pecado.i O texto também diz que maldita seria a terra por culpa humana. Paulo aborda esta questão em Romanos 8, ao dizer que a terra foi submetida à vaidade ou frustração como conseqüências do pecado humano. O Espírito Santo atua para a libertação da Criação, visando já um novo céu e uma nova terra onde habita a justiça. Deus está promovendo uma obra de regeneração com intuito de restaurar o propósito original por meio do seu Espírito.

Quando compreendemos melhor a criação, passamos a entender também como as coisas deveriam ser. Enquanto isto, entender o episódio da queda nos ajuda a discernir o porquê das coisas estarem fora de lugar e o que é que está trabalhando contra os propósitos originais de Deus. E, entender o relato da redenção nos ajuda a descobrir a cura e a restauração dos propósitos de Deus, o destino final de toda a criação e quem pode conduzir a história humana ao seu final desejável.ii

i Em Cristo não deve haver

ii Myers, Bryant L. Caminar con Los Pobres. Manual teórico-prático de desarrollo transformador. Buenos Aires: Kairós. 2002. P.48.

Comentários

  1. Bispo, graça e paz,

    Gostaria de esclarecimento a duas situação na criação e queda: 1) Deus disse a Adão que quando comesse do fruto morreria, Certo. Paulo disse que pelo pecado entrou a morte. Certo. Estamos falando do mesma morte, visto que, se Deus alertou a Adão sobre a morte ela já existia. Como o Senhor vê isso. 2) O homem esta morto em seus delito e pecados, isso depois do pecado, mas como Adão consegui ouvir a Deus.


    Deus o abençoe.

    ResponderExcluir
  2. Como resultado do pecado, Adão e Eva receberam a imediata expulsão do Paraíso, morte espiritual, e passaram a estar sujeitos a morte física. A morte não existia até a Queda, mas o conceito dela poderia muito bem existir. Um grande abraço,
    Ildo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antes de qualquer coisa quer manisfestar o meu apreço pelo pensar escatológico, fez eu mudar de dispensacionalista para amilenista, alias só comprovou as minhas inquietudes. Acho o Senhor fantástico.
      voltando ao assunto, e a cadeia alimentar como explicamos? talvez Darwin não esteja tão errado? Não seria mais fácil entender que Adão se mantinha vivo porque ele se alimentava da arvore da vida, e quando comeu da arvore do bem e do mal perdeu essa possibilidade, sendo assim morreu e transmitiu a morte para todos os homem como fala Paulo. A morte espiritual e controversa, quando concluímos que ouve a depravação total do homem, pois Adão consegui ouvir Deus depois da queda. Na minha opinião a questão espiritual tem haver com a questão moral, o qual recebemos apos o homem ficar conhecedor do bem e do mal. O pecado já existia no jardim, pois havia lei (o ato de não fazer) e a transgressão a lei seria pecado.

      Graça e paz bispo.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

"Tudo, porém, seja feito com decência e ordem" (I Co 14:40)

O Apóstolo Paulo exorta desta maneira a igreja de Corinto que precisava aprender que a ação do Espírito produz ordem e e decência, e não bagunça e confusão. A liberdade do Espírito não é incompatível com a ordem e a decência deste mesmo Espírito, pois "Deus não é Deus de desordem" (1Co 14.33). Portanto, toda desordem no culto não é de procedência divina. Sabedores disto, cabe aos pastores botarem ordem na casa, não permitindo que o culto seja enrolado e descontrolado. Assim como Paulo estabeleceu regras para o bom andamento do culto, devemos nós fazer o mesmo.

Alguns exemplos de coisas que devemos evitar em um culto:

O culto deve ser objetivo, enxuto, sem vãs repetições.

Cada participante deve possuir uma clara consciência da integridade do culto para não invadirmos a área do outro.

Um dirigente de culto e um líder de louvor não devem fazer comentários bíblicos prolongados, visto que já teremos um pregador…

Lições extraídas da história de Mefibosete

Áudio:
Vídeo:
Mefibosete from Ildo Swartele Mello on Vimeo.

Lições extraídas da história de Mefibosete Mefibosete nasceu num "berço de ouro" de um "palácio real", pois era neto do Rei Saul, filho do Príncipe Jônatas (2Sam 4.4). Entretanto, uma tragédia se abateu sobre sua vida quando ele tinha apenas 5 anos de idade. Israel foi derrotado em uma sangrenta batalha. A notícia da morte de Saul e de Jônatas chegaram até a casa real; então, a babá de Mefibosete, temendo que o menino também fosse morto, o toma em seus braços e foge correndo, mas, na pressa, acaba tropeçando e deixando o menino cair. Na queda, Mefibosete despedaça os pés e fica aleijado.

Agora, ele está órfão de pai e mãe. Perdeu a majestade, perdeu a saúde e vive escondido em um humilde povoado na casa de um bom homem chamado Maquir, que foi quem o amparou, adotando-o como filho.

Tais tragédias são frutos da rebeldia do Rei Saul, que plantou ventos e acabou colhendo tempestades devastadoras para a sua …

A Igreja passa pela Grande Tribulação?

IntroduçãoOs pré-tribulacionistas afirmam que Deus não permitirá que a Igreja sofra no período da Grande Tribulação. Mas, não existe nenhum versículo bíblico que ensine que a Igreja não passará pela Grande Tribulação e nada existe também na Bíblia sobre uma Segunda Vinda de Cristo em duas fases ou etapas, separadas por sete anos de Grande Tribulação, e também não há nada sobre um arrebatamento “secreto”, pois não há nada de secreto e silencioso nos relatos que descrevem o arrebatamento da Igreja (1Ts 4.16-17; Mt 24.31). 
Outra incongruência deste ponto de vista é a ideia de um arrebatamento para tirar a Igreja e o Espírito Santo da Terra antes da manifestação do Anticristo. Se este fosse o caso, o Anticristo seria anti o quê? Anticristos são falsos profetas que já atuavam no mundo nos tempos mais primitivos da Igreja. Não devemos confundir Anticristo com a Besta ou Bestas Apocalípticas. Todas as menções ao(s) Anticristo(s) aparecem nas epístolas joaninas e dizem respeito aos hereges o…