O Espírito Santo, a Criação e a Nova Criação

(Autor: Bispo José Ildo Swartele de Mello)

Vimos também como o Espírito Santo atuou de maneira ativa no próprio ministério de Cristo, ungindo-o e capacitando-o para o exercício de sua missão integral (Lc 4.1, 18). É interessante notar que a própria missão de regeneração, que é uma especialidade do Espírito Santo, está relacionada à obra da Criação, pois faz parte do plano de restauração do propósito original de Deus. A regeneração é a recriação da imagem de Deus no indivíduo (2 Co 3.18; 1 Co 15.49, Co 3.10 e Rm 8.29), restauração da justiça e do amor na sociedade, desfazer as obras do diabo, com o propósito de colocar todas as coisas debaixo dos pés de Jesus (1 Jo 3.8; Ef 1.10, 22; 1 Co 15.27; Hb 2.8:10.13). O Espírito Santo teve um papel preponderante na criação (Gn 1.2) e agora tem um extraordinário papel na nova criação em Cristo (Mt 1.20; Jo 3.5; Tt 3.5). O seu papel de transformar o indivíduo e de o capacitar para ser testemunha de Cristo, um agente do Reino de Deus, através do seu poder regenerador e transformador da realidade em todas as suas facetas. O Livro de Atos mostra como o Espírito Santo lidou com os primeiros discípulos que demonstraram covardia ao fugir por ocasião da prisão de Jesus e os transformou em intrépidas testemunhas de Cristo mesmo em face da própria morte.

No Antigo Testamento, o Espírito Santo aparece já no segundo versículo de Gênesis. O verbo indica que o Espírito Santo estava como que chocando ou incubando, tendo uma participação ativa na criação. E, no Evangelho de João, vemos a relação de Gênesis com a doutrina da encarnação. Observe o papel da Trindade na criação. Precisamos recuperar o ensino de que o Espírito Santo estava e está ativo na criação e não somente na Igreja! Ninguém pode conhecer a Deus sem a ação do Espírito no Mundo. Restringimos demasiadamente a ação do Espírito à esfera da Igreja. O Espírito Santo atua no mundo para convencimento (João 16.5-11). Vemos aí, a ação do Espírito Santo em relação à vida humana mesmo antes da conversão e não apenas na vida dos crentes. O Espírito Santo é mediador entre a ação de Deus e a criação e a história humana. O Espírito Santo é aquele que aperfeiçoa toda a criação. Não diz respeito apenas aos seres humanos, mas a totalidade da criação (Rm 8). A criação geme, porque deseja ser libertada da escravidão. A Shalom significa harmonia com Deus, consigo mesmo, com o próximo e com a criação. O efeito da queda afetou estas 4 dimensões da relação humana. O relato que encontramos em Gênesis 3.16 não é prescritivo, mas descritivo dos efeitos da queda. Uma das conseqüências da queda se revela no texto que diz que o homem vai dominar sobre a mulher, pois este não era o propósito original de Deus, mas foi uma ruptura da relação entre o homem e a mulher provocada pelo pecado.i O texto também diz que maldita seria a terra por culpa humana. Paulo aborda esta questão em Romanos 8, ao dizer que a terra foi submetida à vaidade ou frustração como conseqüências do pecado humano. O Espírito Santo atua para a libertação da Criação, visando já um novo céu e uma nova terra onde habita a justiça. Deus está promovendo uma obra de regeneração com intuito de restaurar o propósito original por meio do seu Espírito.

Quando compreendemos melhor a criação, passamos a entender também como as coisas deveriam ser. Enquanto isto, entender o episódio da queda nos ajuda a discernir o porquê das coisas estarem fora de lugar e o que é que está trabalhando contra os propósitos originais de Deus. E, entender o relato da redenção nos ajuda a descobrir a cura e a restauração dos propósitos de Deus, o destino final de toda a criação e quem pode conduzir a história humana ao seu final desejável.ii

i Em Cristo não deve haver

ii Myers, Bryant L. Caminar con Los Pobres. Manual teórico-prático de desarrollo transformador. Buenos Aires: Kairós. 2002. P.48.

Comentários

  1. Bispo, graça e paz,

    Gostaria de esclarecimento a duas situação na criação e queda: 1) Deus disse a Adão que quando comesse do fruto morreria, Certo. Paulo disse que pelo pecado entrou a morte. Certo. Estamos falando do mesma morte, visto que, se Deus alertou a Adão sobre a morte ela já existia. Como o Senhor vê isso. 2) O homem esta morto em seus delito e pecados, isso depois do pecado, mas como Adão consegui ouvir a Deus.


    Deus o abençoe.

    ResponderExcluir
  2. Como resultado do pecado, Adão e Eva receberam a imediata expulsão do Paraíso, morte espiritual, e passaram a estar sujeitos a morte física. A morte não existia até a Queda, mas o conceito dela poderia muito bem existir. Um grande abraço,
    Ildo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antes de qualquer coisa quer manisfestar o meu apreço pelo pensar escatológico, fez eu mudar de dispensacionalista para amilenista, alias só comprovou as minhas inquietudes. Acho o Senhor fantástico.
      voltando ao assunto, e a cadeia alimentar como explicamos? talvez Darwin não esteja tão errado? Não seria mais fácil entender que Adão se mantinha vivo porque ele se alimentava da arvore da vida, e quando comeu da arvore do bem e do mal perdeu essa possibilidade, sendo assim morreu e transmitiu a morte para todos os homem como fala Paulo. A morte espiritual e controversa, quando concluímos que ouve a depravação total do homem, pois Adão consegui ouvir Deus depois da queda. Na minha opinião a questão espiritual tem haver com a questão moral, o qual recebemos apos o homem ficar conhecedor do bem e do mal. O pecado já existia no jardim, pois havia lei (o ato de não fazer) e a transgressão a lei seria pecado.

      Graça e paz bispo.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

A Igreja passa pela Grande Tribulação?

Lições extraídas da história de Mefibosete