O templo judaico deverá ser reconstruído de novo?

(Autor: Bispo José Ildo Swartele de Mello)

Os dispensacionalistas, ignorando a história, advogam que o templo judaico será reconstruído para ser profanado novamente pela Besta no período da Grande Tribulação e para que também possam ser celebrados sacrifícios no templo no período do milênio. Mas, nenhuma passagem do Antigo Testamento faz referência a uma reconstrução de um terceiro templo em Jerusalém. Todas as referências à reconstrução do templo registradas no Antigo Testamento referem-se ao templo reconstruído na época de Esdras.

Não existe um único versículo no novo Testamento que prometa a reconstrução do templo judaico. Jesus falou da destruição do templo (Mt 24:2; Mc 13:2; Lc 19:44; 21:6). Jesus falou da destruição do templo como um juízo contra o povo de Israel, a semelhança do que foi a destruição do primeiro templo e da cidade de Jerusalém em 586 a.C., que se deu como conseqüência do pecado, idolatria e perseguição aos profetas de Deus. Jesus, dirigindo-se aos líderes religiosos dos judeus, diz que aquela geração era hipócrita por se julgar melhor do que seus antepassados que mataram os profetas. Afirmou que eles fariam o mesmo e até pior que os seus pais.

Observe as palavras de Jesus a este respeito em Mateus 23.32-24.2, “Enchei vós, pois, a medida de vossos pais. Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno? Por isso, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas. A uns matareis e crucificareis; a outros açoitareis nas vossas sinagogas e perseguireis de cidade em cidade; para que sobre vós recaia todo o sangue justo derramado sobre a terra, desde o sangue do justo Abel até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias, a quem matastes entre o santuário e o altar. Em verdade vos digo que todas estas coisas hão de vir sobre a presente geração. Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e vós não o quisestes! Eis que a vossa casa vos ficará deserta. Declaro-vos, pois, que, desde agora, já não me vereis, até que venhais a dizer: Bendito o que vem em nome do Senhor! Tendo Jesus saído do templo, ia-se retirando, quando se aproximaram dele os seus discípulos para lhe mostrar as construções do templo. Ele, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada.”

Portanto, Jesus disse que aquela geração de judeus cometeria pecados ainda mais graves por não perseguir apenas os enviados de Deus, mas também o próprio Filho (Mt 21.37-44). Jesus deixa claro que a destruição do templo se daria naquela mesma geração (Mt 23.36). O que se cumpriu na íntegra no ano de 70 d.C. quando, o príncipe de um povo que havia de vir ou o abominável da desolação de que falou o profeta Daniel (Mt 24.15), General Tito, profanou o templo e destruiu a cidade e o templo. O que concorda bastante com a profecia de Daniel que aponta para uma nova destruição do templo e da cidade de Jerusalém como resultado da rejeição e morte do Ungido: “Depois das sessenta e duas semanas, será morto o Ungido e já não estará; e o povo de um príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será num dilúvio, e até ao fim haverá guerra; desolações são determinadas” (Daniel 9:26).

Embora, Jesus tenha profetizado a destruição do templo como juízo sobre a geração de judeus que rejeitou o Cristo, ele nunca profetizou a reconstrução do templo, a não ser em termos da sua própria ressurreição, quando comparou o templo a si mesmo (Jo 2.19).

Os cristãos dispensacionalistas fazem questão de ignorar o fato de que o Templo se revestiu de um novo significado no Novo Testamento, tornando-se um tipo de Cristo e de sua Igreja (Ef 2:19-21).
O termo templo aparece 12 vezes no livro de Apocalipse e, em cada uma das ocorrências, está se referindo ao templo celestial ou ao Senhor Deus mesmo. “Nela, não vi santuário, porque o seu santuário é o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro” (Ap 21:22).

Deus não habita em templos construídos por mãos humanas (At 7.48; 17.24). O tabernáculo ou o templo do Antigo Testamento eram sombra da realidade que se manifestou em Cristo e na sua Igreja (Hb 9.9-10.14). Pois, templo, no Novo Testamento, passa a significar Jesus e a Igreja, como Corpo de Cristo (1 Co 3.16; Ef 2.22). Notar que até mesmo o corpo físico dos crentes é chamado de templo no Novo Testamento (2 Co 6.16-19). O templo, portanto, encontra seu último e definitivo significado e cumprimento não em um outro templo construído por mãos humanas, mas em Jesus Cristo que está nos céus e na sua Igreja na terra.

O autor de Hebreus descreve os sacrifícios do templo como ilustração ou cópia das realidades celestiais (Hb 9:9, 23, 24; 10:1-3, 11). Pedro usa a mesma terminologia para descrever o modo como os cristãos foram feitos nova casa de Deus, edifício este que tem Jesus por pedra de esquina (1 Pe 2:5-7). Com a chegada do verdadeiro templo, não há lugar mais para templos construídos por mãos humanas.

Em João 4, falando à mulher samaritana, Jesus anunciou a chegada do tempo em que a verdadeira adoração não estaria mais confinada ao templo de Jerusalém, mas que se tornaria universal, realizada em espírito e em verdade.

Os dispensacionalistas advogam o retorno da celebração de sacrifícios no templo no período do milênio, um verdadeiro absurdo que contradiz o ensino claro do Novo Testamento que ensina que Jesus fez um sacrifício eficaz, pleno, uma vez por todas, não havendo, portanto, mais lugar para os cerimoniais e sacrifícios judaicos que haviam sido instituídos como sombras da realidade que se cumpriu em Cristo. Portanto, não há mais cabimento para o retorno a práticas dos sacrifícios do templo. Este é o ensino claro do Novo Testamento. Veja o que diz o autor de Hebreus sobre este assunto em Hb 9.9 - 10:14: “É isto uma parábola para a época presente; e, segundo esta, se oferecem tanto dons como sacrifícios, embora estes, no tocante à consciência, sejam ineficazes para aperfeiçoar aquele que presta culto, os quais não passam de ordenanças da carne, baseadas somente em comidas, e bebidas, e diversas abluções, impostas até ao tempo oportuno de reforma. Quando, porém, veio Cristo como sumo sacerdote dos bens já realizados, mediante o maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, quer dizer, não desta criação, não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção.

Portanto, se o sangue de bodes e de touros e a cinza de uma novilha, aspergidos sobre os contaminados, os santificam, quanto à purificação da carne, muito mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, a si mesmo se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas, para servirmos ao Deus vivo! Por isso mesmo, ele é o Mediador da nova aliança, a fim de que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia sob a primeira aliança, recebam a promessa da eterna herança aqueles que têm sido chamados... Era necessário, portanto, que as figuras das coisas que se acham nos céus se purificassem com tais sacrifícios, mas as próprias coisas celestiais, com sacrifícios a eles superiores. Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para comparecer, agora, por nós, diante de Deus; nem ainda para se oferecer a si mesmo muitas vezes, como o sumo sacerdote cada ano entra no Santo dos Santos com sangue alheio. Ora, neste caso, seria necessário que ele tivesse sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo; agora, porém, ao se cumprirem os tempos, se manifestou uma vez por todas, para aniquilar, pelo sacrifício de si mesmo, o pecado... Ora, visto que a lei tem sombra dos bens vindouros, não a imagem real das coisas, nunca jamais pode tornar perfeitos os ofertantes, com os mesmos sacrifícios que, ano após ano, perpetuamente, eles oferecem. Doutra sorte, não teriam cessado de ser oferecidos, porquanto os que prestam culto, tendo sido purificados uma vez por todas, não mais teriam consciência de pecados? ... Depois de dizer, como acima: Sacrifícios e ofertas não quiseste, nem holocaustos e oblações pelo pecado, nem com isto te deleitaste (coisas que se oferecem segundo a lei), então, acrescentou: Eis aqui estou para fazer, ó Deus, a tua vontade. Remove o primeiro para estabelecer o segundo. Nessa vontade é que temos sido santificados, mediante a oferta do corpo de Jesus Cristo, uma vez por todas. Ora, todo sacerdote se apresenta, dia após dia, a exercer o serviço sagrado e a oferecer muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca jamais podem remover pecados; Jesus, porém, tendo oferecido, para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à destra de Deus, aguardando, daí em diante, até que os seus inimigos sejam postos por estrado dos seus pés. Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados”.

Os dispensacionalistas em sua insistência em enxergar dois povos de Deus, Israel e Igreja, e com sua crença na existência de dois propósitos e planos distintos para cada um destes povos, acabam promovendo a revitalização no seio evangélico das sombras do Antigo Testamento que já foram plenamente superadas pela substância no Novo Testamento. Entretanto, Deus não tem dois povos, mas somente um. O Novo Testamento vê as profecias do Antigo Testamento encontrando seu cumprimento em Cristo e em sua Igreja. A Igreja Cristã foi edificada sobre o fundamento dos profetas e dos apóstolos judeus (Ef 2.14-16). Ela não constitui um segundo povo de Deus. Deus tem apenas um povo (Jo 10.16; Ef 2.14-16). Os gentios crentes foram enxertados na mesma “oliveira”, tomando parte na mesma raiz e tronco do hebreu Abraão (Rm 11.16-18). Não existe um plano de salvação distinto para Israel. Pois Deus não faz acepção de pessoas (Rm 2.11). A esperança futura para Israel é aceitar o Cristo, sendo novamente reconduzido a mesma e única Árvore, a oliveira, o Corpo de Cristo, que é a Igreja, da qual fazem parte judeus e gentios crentes, não havendo mais lugar para distinções e divisões, pois, em Cristo foi derrubada a parede de separação que existia entre judeus e gentios.

Portanto, os cristãos que defendem a necessidade da reconstrução do templo estão regredindo ao sistema sacrificial do período pré-cristão. Sistema este que foi anulado, tornando-se obsoleto, por ter sido substituído e superado pelo sacrifício definitivo de Cristo na Cruz. Pois, o sacrifício do verdadeiro Cordeiro de Deus não permite mais lugar para outros sacrifícios. O retorno à prática destes sacrifícios em um templo construído por mãos humanas, ainda que em caráter de celebração simbólica, é algo descabido que revela um descaso para com o sacrifício supremo realizado por Cristo na cruz.

Os Cristãos que advogam a reconstrução do templo judaico estão não só patrocinando as reivindicações políticas da nação de Israel de soberania sobre o Monte do Templo e Jerusalém, mas também sobre todo o território que compreendia a extensão do antigo Reino de Israel na época do Rei Davi. O que, ainda que inconscientemente, favorece a perpetuação de um apartheid social que pretende expulsar os palestinos dos territórios ocupados. Tal teologia conduz ao racismo por promover acepção de pessoas, o que não faz jus à missão da Igreja que é de reconciliação (2 Co 5.18-19).

Comentários

  1. oi pastor!a a paz do SENHOR JESUS!MEU NOME É LUIZ E ESTOU NO JAPÃO!eu ja li alguns do seus estudos e , também postei alguns comentários!DEUS abencõe e que,DEUS te faça poderoso nas escrituras mesmo!para que,toda doutrina de "HOMENS" se desfaça na frente da palavra de DEUS!esse também é o meu desejo!me enteressei por esse tema e tenho algumas perguntas!Eu pensava que o templo havia de ser reconstruido!pelo fato de EZ 40-48!qual é o significado das medidas que DEUS da para Ezequiel então??Por que não foi atoa aquela visão né!o templo de Ezequiel tem algunas semelhanças com a "NOVA JERUSALEM"de apocalipse!apesar de ser um livro sibólico!a outra pergunta é :então o ante CRISTO não vai se assentar no templo de DEUS querendo ser DEUS?? isso foi no tempo do general tito então?agora fiquei em duvida RSRS!espero espostas tá??quando eu estava lendo esse tema,e vi alguns exemplos que você deu tipo,que o SENHOR JESUS "NÃO"havia profetizado uma outra reconstruçao de um outro templo!Então eu me lembrei do profeta AGEU que disse:"a glória desta "ÚLTIMA" casa será maior que o da primeira!se disse "ULTIMA"então realmente não vai ter outra não é??mais ainda não estou certo enquanto não conseguir interpretar o templo de EZ 40-48!espero respostas !a paz do SENHOR JESUS!

    ResponderExcluir
  2. Olá Luiz. A paz do Senhor!

    O Apóstolo João em suas epístolas ensina que existem muitos anticristos e não apenas um. Na história, podemos identificar pelo menos dois abomináveis da desolação ou anticristos que assentaram-se no templo reconstruído após o exílio babilônico, profanando-o: Antíoco Epifânio na época dos Macabeus e o General Tito no ano 70. Portanto, tal profecia já teve até mesmo um duplo cumprimento, não se fazendo necessário a edificação de um novo templo para que ela venha a se cumprir. Toda e qualquer menção a reconstrução do templo no Antigo Testamento diz respeito ao templo que foi erigido nos dias de Esdras. O Novo Testamento nada fala sobre a reconstrução do templo, a não ser quando se refere ao corpo de Jesus que seria ressuscitado ao terceiro dia.
    A teologia do Novo Testamento claramente ensina que Deus não habita em templos construídos por mãos humanas e afirma que a Igreja é o corpo de Cristo e que nossos corpos é que são templos do Espírito Santo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nobre Bispo,
      Gostaria de saber se o senhor confirma a seguinte informação sobre a profanação do Templo de Jerusalém pelo General Tito:

      "O que Tito fez? Tomou uma prostituta pela mão [i,e., premeditadamente], e entrou no Santo dos Santos [com ela], abriu um rolo de Torá e cometeu um pecado sobre ele. Então tomou de uma espada e rasgou a cortina [que separava o Santo do Santo dos Santos], e um milagre ocorreu: o sangue borbulhou e correu, e ele pensou que tinha matado Ele. [E os atos de Tito são aqueles aos quais se refere o versículo (Salmos 74:4)]: "Teus atormentadores bramiam no meio do Teu lugar de encontro, eles fizeram seus sinais [como se eles fossem] por sinais [de verdade]."

      Aba Chanan disse: [A aparente falta de reação Divina à profanação do Santo dos Santos por parte de Tito é indicativo daquilo que diz o versículo (Salmos 89:9)]: "Quem se compara a Ti, que és forte. [O versículo deveria ser interpretado como significando] quem é como Tu, forte [em Seu comedimento] e duro [de se irar], pois escutas os insultos e blasfêmias daquele homem perverso e Tu estás silente. A escola de Rabi Yishmael ensinou: [A aparente falta de reação é indicativa daquilo que diz o versículo (Shemot 15:11)]: "Quem é como Tu entre os deuses, Hashem" - i.e., quem é como Tu dentre os silentes. [A exegese do Talmud está baseada na semelhança entre as palavras elim e ilem, que significam forte e mudo, respectivamente].

      O que ele [Tito] fez [depois que profanou o santo dos Santos]? Pegou a cortina e transformou-a em um saco. Pegou todos os vasos do Templo Sagrado e colocou-os dentro, e os transportou em um navio, a fim de exibi-los em Roma e seu louvado pelo seu sucesso".

      site: http://pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/1243579/jewish/A-Destruio-do-Segundo-Templo-Sagrado.htm

      Excluir
  3. oi pastor é o luiz do japão de novo!eu logo que acordei li sua resposta!eu ja li macabeus!mas ao menssionar esse livro as pessoas,elas dizem que são apócrifos!são apenas histórias!e estes livros form retirados da biblia dos evangelicos como não sendo inspirado por DEUS!(no concílio de nicéia 400 anos"DEPOIS DE CRISTO"apesar de isso também ser uma história!se é um livro que não é inspirado pelo ESPIRITO SANTO,por que as pessoas citam ele como referência para dar comprimento as profecias de Daniel?ou é um livro inspirado ou não!não é verdade?não sei se o Pastor ja notou,mas no Evangélio de Judas ele diz que, Enoque,o sétimo depois de Adão profetizou que o SENHOR viria com seus SANTOS anjos para fazer Juizo na terra!toda vez que,um apostolo diz que um profeta profetizou algo,nós encontramos nas escrituras não é verdade?mas essa profecia está em um dos livros chamados pelos evangélicos de (livros apócrifos)!E essa profecia não se encontra na torá!o que o Pastor pensa disso?sobre minha pergunta do templo,ainda fiquei em duvidas!O que o pastor interpreta do templo de Ezequiel(EZ40-48)?SE o comprimento dessa profecia foi com etíoco epifânio e com tito(duplo comprimento),não fica estranho Paulo falar em TESSALÔNICENSES (2) que,o filho da perdição se assentara no "templo"de DEUS qerendo ser DEUS e se levantado contra tudo o que se chama DEUS ou se adora?e continuando....Paulo diz que ,será revelado o (iníquo),mas,o SENHOR o desfaria com o sopro de sua boca,e o ániquilará com o "ESPLENDOR DE SUA VINDA"!mas o SENHOR JESUS ainda não veio não é?dando a entender que,vai ter um outro templo e que o homem do pecado se assentará nele e ele será distruido com a vinda do SENHOR!pelo menos foi assim que Paulo interpretou tal profecia! ou foi eu quem interpretou errado o que Paulo disse? mas nós podemos dizer: o templo que Paulo estava falando ,não era templo feito por mãos de homens!E o que se pode interpretar dessa palavra(SE ASSENTAR)??se assentar em um trono dentro de um templo(edifício),ou se assentar sobre a igreja??se a resposta é,se assentar sobre a igreja,fica muito estranho!espero resposta do Pastor ...a paz do SENHOR JESUS!

    ResponderExcluir
  4. Não é porque um livro não se encontra no canon das Escrituras que ele não tenha o seu valor. O livro de Macabeus possui um precioso valor histórico, mas por outros motivos não foram considerados dignos de estarem entre os demais livros da Bíblia. O Livro de Enoque também por "n" razões não foi considerado digno, no, entanto, possui, pelo menos, uma afirmação correta, a saber, aquela que foi mencionada nas Escrituras. Isto, por si só, não valida o livro como um todo, mas apenas aquela parte mencionada.
    Ainda que tal profecia já tenha tido duplo cumprimento, não significa que ela já esgotou seu significado e que não tenha mais nada a nos dizer em relação o presente e futuro. A própria história da Igreja registra diversos Papas que assentados no "Trono de Pedro", acorrentaram as Escrituras, profanaram a Igreja e perseguiram os cristãos que desejavam viver um cristianismo autêntico e bíblico. Isto se aplica também a falsos profetas e apóstolos evangélicos, que deturpam as Escrituras e fazem comércio da fé. Bem, precisamos estar sempre atentos, pois o diabo é astuto e se traveste de muitas formas com intuito de enganar e provocar ruína.

    ResponderExcluir
  5. paz do SENHOR!oubrigado pela resposta e atençao!as profecias se tornam claras depois que se cumprem ne?!E as vezes,palavras que não eram profecias se tornam profecias!Do egito chamei meu filho!EX 4 :22 e OSEIAS 11:1--5 MT 2:13--15....
    vejo ai uma palvra comprida e não uma profecia!Vou meditar sobre o templo de EZ 40--48....
    Paz do SENHOR!valeu !

    ResponderExcluir
  6. Achei o comentário muito bem construído e co boa fundamentação. Entendo seu posicionamento como uma investida em favor da genuína fé cristã nas Sagradas Escrituras. Causa-me apenas uma inquietação o fato de que desde os anos 70 a reconstrução do Templo Judeu ser assunto de diversos estudiosos de escatologia e atualmente ser citado por comentaristas laicos como fato plausível e pertinente. Essa pertinência se caracteriza pela necessidade da corrente ortodoxa da sociedade judaica, que cada dia maior e mais influente, se aproximar ao máximo dos tempos de maior glória da nação. O Templo é um dos maiores símbolos de Israel, assim como a Torah e o culto prestado no Templo. Além disso, o apóstolo Paulo, o qual declara que teve revelações acerca de assuntos sobre os quais não poderia revelar abertamente à Igreja (1Co 12:1-4), expõe em 2Ts 2:4-3 (“Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, o qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus.”) Se reconhecemos que a Bíblia é integralmente a Palavra de Deus, então não questionaremos a inspiração de Paulo que claramente afirma que o filho da perdição se assentará no templo de Deus. Essa afirmação foi proferida como parte da resposta dada aos tessalonicenses à dúvida plantada naquela igreja pela heresia de que o dia de Cristo já havia ocorrido. É, portanto, uma referência a fatos que iriam acontecer em tempo anterior, porém, próximo da volta de Cristo. Nenhum dos dois episódios anteriores narrados pela história poderiam se enquadrar como cumprimento dessa profecia pelo simples fato de que, se de fato cremos nas Escrituras Sagradas como infalível Palavra de Deus, tanto Antíoco Epifânio, quanto o General Tito, ousaram se opor e se levantar “contra tudo o que chama deus ou se adora” — adoravam deuses de sua devoção. Não se pode pregar o Evangelho legitimamente se não crermos nele. Assim como não devemos entrar em assuntos sobre os quais não temos o devido conhecimento e fé nos arvorando em conhecimentos acerca de teorias filosóficas para ensinarmos teorias equivocadas, pois corremos o risco de sermos confundidos como “falsificadores da palavra” (2Co 2:17).
    Quanto à volta do culto judaico, sabemos que a Igreja de Jesus não deve praticar os ritos da Lei. Porém os judeus não-cristãos vivem debaixo da Lei e cumprem ainda hoje parte de suas práticas. O que lhes falta é o restabelecimento do culto. Para haver este restabelecimento do culto só é admissível que seja no Templo (Dt 12:11 “Então haverá um lugar que escolherá o SENHOR vosso Deus para ali fazer habitar o seu nome; ali trareis tudo o que vos ordeno; os vossos holocaustos, e os vossos sacrifícios, e os vossos dízimos, e a oferta alçada da vossa mão, e toda a escolha dos vossos votos que fizerdes ao SENHOR.”). Dessa forma vemos que não é absurdo esperar a reconstrução do Templo em seu lugar original; ou melhor, é tão absurdo quanto era a restauração da nação de Israel para os que viveram antes de se tornar realidade. Em Dn 9:27 vemos a prática do culto judaico sendo interrompida pela quebra de “aliança”. Se reconhecemos que o anticristo se “levanta contra tudo o que se chama deus ou se adora”, podemos ver a homogeneidade da Palavra completando-se em seu contexto geral comparando o texto de 2Ts 2 com Dn 9:27. Ainda é preciso esclarecer que se houve dois cumprimentos da profecia significa que ela ainda não se cumpriu, pois a profecia não é genérica ou de vago sentido. Quando aceitamos afirmações como essa demonstramos que não cremos na exata e inflexível Palavra de Deus. A Palavra profética não está aberta para livres interpretações; ela se cumpre exatamente da forma e no tempo preciso determinado por Deus. O fato em questão se refere a um episódio específico e não a dois episódios que não se enquadram perfeitamente no texto revelado.
    É importante ressaltar que é estranho um verdadeiro cristão considerar o trono papal (trono de Pedro) como sendo “o trono de Deus”. Ao estudarmos as Escrituras vemos que os papas estão entronizados em Babilônia, a grande meretriz, e não no que se poderia chamar de “Trono de Deus”. Ainda o mundo reconheça o Papa como legítimo representante de Deus na Terra, o apóstolo Paulo diz que o lugar aonde o anticristo vai se sentar é o Trono de Deus. Se levarmos em conta que o Templo Judeu segue os moldes do Tabernáculo e que este se baseava no modelo original visto por Moisés, entendemos que no Templo o local do Trono de Deus seria no Santo dos Santos, e não no Vaticano — antro de idolatria e corrupção.
    Concernente à existência do “anticristo”, a Bíblia não deixa dúvida de sua existência e surgimento em tempo determinado. Quanto a existirem muitos anticristos, João mesmo deixa isso claro, mas demonstra explicitamente o reconhecimento de que haveria um anticristo (1Jo 2:18 “Filhinhos, é já a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se têm feito anticristos, por onde conhecemos que é já a última hora.”).
    Portanto, devemos estar atentos para o cumprimento das Escrituras, pois o seu cumprimento se constitui em sinal da vinda de Jesus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ia responder,mas voçê o fez por mim,exatamente isto e este pessoal nao consegue entender que profecia se cumpre literalmente,não em partes,o curioso é que voçê não obteve nenhuma resposta,parabéns pelo texto,abs

      Excluir
  7. Achei o comentário muito bem construído e com boa fundamentação. Entendo seu posicionamento como uma investida em favor da genuína fé cristã nas Sagradas Escrituras. Causa-me apenas uma inquietação o fato de que desde os anos 70 a reconstrução do Templo Judeu ser assunto de diversos estudiosos de escatologia e atualmente ser citado por comentaristas laicos como fato plausível e pertinente. Essa pertinência se caracteriza pela necessidade da corrente ortodoxa da sociedade judaica, que cada dia é maior e mais influente, se aproximar ao máximo dos tempos de maior glória da nação. O Templo é um dos maiores símbolos de Israel, assim como a Torah e o culto prestado no Templo. Além disso, o apóstolo Paulo, o qual declara que teve revelações acerca de assuntos sobre os quais não poderia revelar abertamente à Igreja (1Co 12:1-4), expõe em 2Ts 2:4-3 (“Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, o qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus.”) Se reconhecemos que a Bíblia é integralmente a Palavra de Deus, então não questionaremos a inspiração de Paulo que claramente afirma que o filho da perdição se assentará no templo de Deus. Essa afirmação foi proferida como parte da resposta dada aos tessalonicenses à dúvida plantada naquela igreja pela heresia de que o dia de Cristo já havia ocorrido. É, portanto, uma referência a fatos que iriam acontecer em tempo anterior, porém, próximo da volta de Cristo. Nenhum dos dois episódios anteriores narrados pela história poderiam se enquadrar como cumprimento dessa profecia pelo simples fato de que, se de fato cremos nas Escrituras Sagradas como infalível Palavra de Deus, nem Antíoco Epifânio, nem o General Tito, ousaram se opor e se levantar “contra tudo o que chama deus ou se adora” — adoravam os deuses de sua devoção. Não se pode pregar o Evangelho legitimamente se não crermos nele. Assim como não devemos entrar em assuntos sobre os quais não temos o devido conhecimento e fé nos arvorando em conhecimentos acerca de teorias filosóficas para ensinarmos equívocos, pois corremos o risco de sermos confundidos como “falsificadores da palavra” (2Co 2:17).
    Quanto à volta do culto judaico, sabemos que a Igreja de Jesus não deve praticar os ritos da Lei. Porém os judeus não-cristãos vivem debaixo da Lei e cumprem ainda hoje parte de suas práticas. O que lhes falta é o restabelecimento do culto. Para haver este restabelecimento do culto só é admissível que seja no Templo (Dt 12:11 “Então haverá um lugar que escolherá o SENHOR vosso Deus para ali fazer habitar o seu nome; ali trareis tudo o que vos ordeno; os vossos holocaustos, e os vossos sacrifícios, e os vossos dízimos, e a oferta alçada da vossa mão, e toda a escolha dos vossos votos que fizerdes ao SENHOR.”). Dessa forma vemos que não é absurdo esperar a reconstrução do Templo em seu lugar original; ou melhor, é tão absurdo quanto era a restauração da nação de Israel para os que viveram antes de se tornar realidade. Em Dn 9:27 vemos a prática do culto judaico sendo interrompida pela quebra de “aliança”. Se reconhecemos que o anticristo se “levanta contra tudo o que se chama deus ou se adora”, podemos ver a homogeneidade da Palavra completando-se em seu contexto geral comparando o texto de 2Ts 2 com Dn 9:27 (1Co 2:13). Ainda é preciso esclarecer que se houve dois cumprimentos da profecia significa que ela ainda não se cumpriu, pois a profecia não é genérica ou de vago sentido. Quando aceitamos afirmações como essa demonstramos que não cremos na exata e inflexível Palavra de Deus. A Palavra profética não está aberta para livres interpretações; ela se cumpre exatamente da forma e no tempo preciso determinado por Deus (Is 55:11 "Assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei."). O fato em questão se refere a um episódio específico e não a dois episódios que não se enquadram perfeitamente no texto revelado.
    É importante ressaltar que é estranho um verdadeiro cristão considerar o trono papal (trono de Pedro) como sendo “o trono de Deus”. Ao estudarmos as Escrituras vemos que os papas estão entronizados em Babilônia, a grande meretriz, e não no que se poderia chamar de “Trono de Deus”. Ainda o mundo reconheça o Papa como legítimo representante de Deus na Terra, a Igreja e, consequentemente, o apóstolo não. Paulo diz que o lugar aonde o anticristo vai se sentar é o Trono de Deus. Se levarmos em conta que o Templo Judeu segue os moldes do Tabernáculo e que este se baseava no modelo original visto por Moisés, entendemos que no Templo o local do Trono de Deus seria o Santo dos Santos, e não no Vaticano — antro de idolatria e corrupção.
    Concernente à existência do “anticristo”, a Bíblia não deixa dúvida de sua existência e surgimento em tempo determinado. Quanto a existirem muitos anticristos, João mesmo deixa isso claro, mas demonstra explicitamente o reconhecimento de que haveria um anticristo (1Jo 2:18 “Filhinhos, é já a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se têm feito anticristos, por onde conhecemos que é já a última hora.”).
    Portanto, devemos estar atentos para o cumprimento das Escrituras, pois o seu cumprimento se constitui em sinal da vinda de Jesus.

    ResponderExcluir
  8. olá tudo bem
    Daniel 9:26 fala do passado quando o templo e a cidade foi destruida, e fala do futuro da vinda do principe(anticristo) que será do mesmo reino do império Romano.entendendo assim ,entenderemos Daniel9;27 sobre o acordo de uma semana(sete anos)da setenta semanas Daniel 9:24.então Mateus 24:15 ainda é futura na qual será profanado o templo e começará a grande tribulação.
    II Tessalonicenses deve ser entendido sendo o templo literal onde o anticristo assentará o seu poder.Apocalipse 11:1 nos mostra o templo, porque aquele templo já havia sido destruido,então é futuro.
    obs: Creio firmemente que o templo será reconstruido ,sem ele não haverá a besta e nem a grande tribulação.aguarde esta profecia vai ser litral.
    um abraço: o biblico

    ResponderExcluir
  9. Voce sabia que os judeus já estão treinando aqueles que vão ministrar o templo? já colocaram a pedra lá.
    O TEMPLO DE EZEQUIEL É FUTURO, ASSIM DEVE SER ENTENDIDO,APESAR DOS SACRIFICIOS SEREM FEITOS ,NÃO É VOLTAR A LEI ,SERÁ COMO MEMORIAL, COMO É A CEIA HOJE.
    Ezequiel 39: 25 nos mostram bem claro a restauração de Israel.
    um abraço: o biblico

    ResponderExcluir
  10. Olá Pastor

    Só prá lembrar: Na época do exílio babilônico, quando começou a contagem das 70 semanas, qual foi o episódio que fez c/ que a contagem da 1ª semana começasse??
    Resposta:
    "NO primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia (para que se cumprisse a palavra do SENHOR, pela boca de Jeremias), despertou o SENHOR o espírito de Ciro, rei da Pérsia, o qual fez passar pregão por todo o seu reino, como também por escrito, dizendo:
    Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O SENHOR Deus dos céus me deu todos os reinos da terra, e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que está em Judá.
    Quem há entre vós, de todo o seu povo, seja seu Deus com ele, e suba a Jerusalém, que está em Judá, e edifique a casa do SENHOR Deus de Israel ( ele é o Deus ) que está em Jerusalém." (Esd. 1:1-3)
    Ou seja, o que iniciou a contagem foi "exatamente" a ordem do rei p/ reconstruir o Templo (Esd. 1:2c)

    Então, da mesma forma, o que fará c/ que se inicie a contagem da última semana (70º semana) será exatamente a ordem p/ reconstruir o Templo.
    Lembremos que as 70 semanas foram determinadas por Deus sobre Jerusalém e os judeus.
    E o CONCERTO que se fará envolve justamente Jerusalém e os judeus - isso, porque as 70 semanas são sobre Jerusalém e os judeus, e não teria cabimento algum se fosse outros acordos que nada tem haver com eles.

    E eu lhe indago: O que falta hoje aos judeus p/ que tenham a restauração de todos os cultos do Antigo Testamento, antes de Cristo??
    Lembrando que muito do ódio dos judeus a Cristo, é justamente devido a depois de Cristo eles terem perdido sua capita, seu país e seu Templo, e portanto também todos os seus rituais, o sacrifício contínuo estabelecido no Monte Sinai no Êxodo.
    Hoje eles têm a Torá, eles têm os 10 mandamentos; eles têm todo o Velho Testamento - mas são impedido de exercê-lo conforme ele (Velho Testamento) ordena: ou seja, o sacrifício p/ purificação dos pecados dos judeus - pois, para eles Jesus não representa nada - então como eles se sentem sem as práticas ordenas por Deus na Torá??
    Acaso eles creêm na Torá mas não creêm no que ela ordena quanto aos sacrifícios dos pecados?
    Acaso eles creêm na páscoa c/ o sacrifício do cordeiro mas não vão crer no sacrifício contínuo todas as tardes e manhãs que foi instituido por Moisés - a mando do Senhor - para obediência e prática dos judeus????

    Então, pastor, a Torá fica sem valia, sem esses rituais.
    Lembra-se de Zacarias (pai de João Batista)?
    Ele teve a visão do anjo no Templo!

    Então, assim os judeus crêem: enquanto eles forem faltosos e negligentes e desobedientes às leis da Torá, também Deus não os poderá ouvir em todas as coisas, porquanto a Lei diz: "Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei para cumprir". (Gal. 3:10)

    E eu pergunto: acaso na lei não está escrito os sacrifícios p/ perdão dos pecados???
    E se está escrito, como os judeus poderão receber esse perdão sem fazerem isso???
    Acaso eles podem substituir o que Deus os ordenou e fazerem conforme seu bel prazer??

    Olha o que a Torá diz:
    "Não acrescentareis à palavra que vos mando, nem diminuireis dela, para que guardeis os mandamentos do SENHOR vosso Deus, que eu vos mando."
    Então, pastor, não é só eu ou você que cremos nas Escrituras; os judeus também o crêem.
    Porém, só tem como Escritura o Velho Testamento.

    ResponderExcluir
  11. CONTINUAÇÃO ...

    Então voltando ao assunto: Assim como a 1ª semana iniciou-se com a ordem p/ reconstruir o Templo (Esd. 1:2c)
    Assim também, é a ordem p/ reconstruir o Templo é a que iniciará a 70ª semana (últimos 7 anos), ao fim dos quais Cristo há de retornar p/ buscar todos os seus escolhidos.

    Lembrando que a abominação da desolação estará no lugar santo - Templo (Mat. 24:15) e o profanará (Dan. 11:31) e tirará o contínuo sacrifício, estabelecendo a abominação desoladora (Dan. 11:31, Dan. 12:11), ou seja, assentar-se no Templo de Deus como se fora Deus (II Tes. 2:4).
    Opondo-se contra tudo o que se chama Deus ou se adora (II Tes. 2:4 Dan. 11:36).

    Então, repetindo: Hoje, Jerusalém e os judeus possuem seu Estado, sua capital, seu povo, sua autonimia, seu exército (melhor ainda do que na época de Herodes, pois é independente e não sofre de dominação por parte de nenhum império.
    Não possui em seu território legiões romanas, ou americanas, ou russas.
    Não é uma nação como, por exemplo a do Iraque ou Afeganistão que são controladas por tropas estrangeiras em seu território, como aconteceu na época de Roma.

    Então, a única coisa que Israel, hoje não possui é o Templo, porque nem dominação estrangeira ele hoje sofre.
    Muito melhor do que na época de Cristo, quando os judeus estavam totalmente baixos à autoridade e dominação romana.

    Ora, podemos lembrar pela história: desde o cativeiro dos judeus em Babilônia até a época de Cristo, os judeus nunca deixaram de ser totalmente dominados pelso impérios em vigência, e contudo muitas das vezes tinham sua liberdade de cultuar no Templo, e isso aconteceu até a destruição da cidade no ano 70 d.C.

    Depois de 1900 anos até sem nação, hoje os judeus não só têm a nação (Israel), possuem sua capital (Jerusalém), possuem seu povo (os judeus devidamente instalados e de posse e controle de sua nação, inclusive c/ parlamento e governo e o governo por parte dos conselheiros judaicos.
    E tendo isso, têm também a sua liberdade de não ser uma nação dominada por outros.

    Então, só lhes falta uma coisa: o Templo!
    O Templo, e o seu "Messias".
    E os dois culminarão na mesma hora!
    Isso será mais do que sinal de que o seu Messias é chegado, pois quando Cristo veio, o Senhor não interfiriu em nada físico.
    O Senhor libertou a todos os seus do pecado, da morte e de Satanás, mas tudo isso espiritualmente.
    E Roma continuou submetendo na carne a todos: cristãos e judeus.

    Então, somente falta isso!
    Que quiser duvidar, pode duvidar, mas que a única coisa que falta é isso, para se cumprirem todas as coisas p/ a vinda do anticristo.

    Lembrando que serão 2300 tardes e manhãs (ou 2300 dias) em que haverá contínuo sacrifício e abominação da desoladora) isso perfazem quase um total de 7 anos, faltando apenas 256 dias p/ completarem os 7 anos, ou seja 2556 dias literais.

    ResponderExcluir
  12. Caro Jefté,
    Jesus afirmou que as Escrituras do Antigo Testamento testificam dele. As páginas do AT estão repletas de referências a Cristo. Foi assim que as interpretou o própio João Batista quando ao ver a Jesus, exclamou: "Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do Mundo". O autor de Hebreus escreve aos judeus cristão lembrando-os de que o que foi dito no AT era uma figura de linguagem da realidade que se manifestou em Cristo, mostrando assim tanto a superioridade do Novo Testamento, como também a caducidade do Velho.
    Leia mais uma vez o que diz o livro de Hebreus> o autor de Hebreus sobre este assunto em Hb 9.9 - 10:14: “É isto uma parábola para a época presente; e, segundo esta, se oferecem tanto dons como sacrifícios, embora estes, no tocante à consciência, sejam ineficazes para aperfeiçoar aquele que presta culto, os quais não passam de ordenanças da carne, baseadas somente em comidas, e bebidas, e diversas abluções, impostas até ao tempo oportuno de reforma. Quando, porém, veio Cristo como sumo sacerdote dos bens já realizados, mediante o maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, quer dizer, não desta criação, não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção. Portanto, se o sangue de bodes e de touros e a cinza de uma novilha, aspergidos sobre os contaminados, os santificam, quanto à purificação da carne, muito mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, a si mesmo se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas, para servirmos ao Deus vivo! Por isso mesmo, ele é o Mediador da nova aliança, a fim de que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia sob a primeira aliança, recebam a promessa da eterna herança aqueles que têm sido chamados... Era necessário, portanto, que as figuras das coisas que se acham nos céus se purificassem com tais sacrifícios, mas as próprias coisas celestiais, com sacrifícios a eles superiores. Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para comparecer, agora, por nós, diante de Deus; nem ainda para se oferecer a si mesmo muitas vezes, como o sumo sacerdote cada ano entra no Santo dos Santos com sangue alheio. Ora, neste caso, seria necessário que ele tivesse sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo; agora, porém, ao se cumprirem os tempos, se manifestou uma vez por todas, para aniquilar, pelo sacrifício de si mesmo, o pecado... Ora, visto que a lei tem sombra dos bens vindouros, não a imagem real das coisas, nunca jamais pode tornar perfeitos os ofertantes, com os mesmos sacrifícios que, ano após ano, perpetuamente, eles oferecem. Doutra sorte, não teriam cessado de ser oferecidos, porquanto os que prestam culto, tendo sido purificados uma vez por todas, não mais teriam consciência de pecados? ... Depois de dizer, como acima: Sacrifícios e ofertas não quiseste, nem holocaustos e oblações pelo pecado, nem com isto te deleitaste (coisas que se oferecem segundo a lei), então, acrescentou: Eis aqui estou para fazer, ó Deus, a tua vontade. Remove o primeiro para estabelecer o segundo. Nessa vontade é que temos sido santificados, mediante a oferta do corpo de Jesus Cristo, uma vez por todas. Ora, todo sacerdote se apresenta, dia após dia, a exercer o serviço sagrado e a oferecer muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca jamais podem remover pecados; Jesus, porém, tendo oferecido, para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à destra de Deus, aguardando, daí em diante, até que os seus inimigos sejam postos por estrado dos seus pés. Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados”.

    ResponderExcluir
  13. Olá Pastor

    Estou ciente de que no Senhor Jesus se cumpriram todas as promessas do Velho Testamento.
    Porém, para os judeus, Jesus não é o Messias; para eles a lei continua valendo da mesma forma que antes.
    E são as Escrituras que dizem que os judeus voltarão ao sacrifício, veja Daniel 11:31 - "E sairão a ele uns braços, que profanarão o santuário e a fortaleza, e tirarão o contínuo sacrifício, estabelecendo a abominação desoladora."
    E outra vez diz: "E desde o tempo em que o contínuo sacrifício for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias."

    Ora, quando serão cumpridas todas essas coisas descritas no livro de Daniel??
    O livro mesmo responde:
    "E veio perto donde eu estava e vindo ele, fiquei assombrado, e caí sobre o meu rosto mas ele me disse: Entende, filho do homem, porque esta visão se realizará no fim do tempo." (Dan. 8:17)
    E novamente:
    "E disse: Eis que te farei saber o que há de acontecer no último tempo da ira porque ela se exercerá no determinado tempo do fim." (Dan. 8:19)
    Também:
    "E ele disse: Vai, Daniel, porque estas palavras estão fechadas e seladas até ao tempo do fim." (Dan.12:9)
    Então, pastor, as profecias não estão escritas a toa, elas terão cumprimento literal, como disse Jesus:
    "Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido." (Mat. 5:18)
    E as profecias de Daneiel sobre a profanação do Santuário (Dan. 11:31a) e sobre fazer cessar o sacrifício e a oferta de manjares (Dan. 9:27b); e sobre a abominação da desolação, no lugar santo (Dan. 11:31, Mat. 24:15) hão de cumprir-se, e da maneira que está escrito, conforme também diz o apóstolo em II Tessalonicenses 2:4, quando diz: "O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus."

    Ou seja, o anticristo, o homem do pecado, o filho da perdição, que está para vir, se assentará como Deus, no Templo de Deus, querendo parecer Deus. (II Tes. 2:3-4)
    E se oporá e se levantará contra tudo o que se chama Deus ou se adora. (Dan. 11:36).

    Então, só pra recapitular: Os judeus não receberam a Jesus, nem tampouco o creram.
    Mas foram proibidos de fazerem seus sacrifícios no templo devido a destruição da cidade no ano 70 d.C.
    No entanto, eles (por incredulidade) ainda estão por esperar o seu "Messias".
    Jesus disse que eles não O receberam, mas receberiam aquele que viria em seu próprio nome (o anticristo - Jo. 5:43).
    Então eles o receberão, e esse mesmo é que vai lhes proporcionar a edificação do Templo; e esse mesmo é que fará cessar o sacrifício contínuo, profanará o santuário e estabelecerá a abominação da desolação, trazendo ao mundo a Grande Tribulação.
    Será nessa época, quando o anticristo ao quebrar o pacto se assentar no Templo como Deus, é que os judeus verão que verdadeiramente eles negaram o verdadeiro Messias (Jesus) e aceitaram e receberam o falso. (Luc. 13:35)

    ResponderExcluir
  14. Então, Jefté, acho que já esclareci as questões que você levanta tanto neste tópico como também no estudo que escrevi sobre as Setenta Semanas de Daniel.
    De acordo com o Apóstolo Pedro, os últimos dias tiveram início em Pentecostes! "Nos últimos dias, derramarei do meu Espírito sobre toda a carne"!
    O abominável da desolação de que falou Daniel foram os imperadores Romanos que profanaram o templo (Tito) e colocaram-se no lugar de Deus, ordenando ao povo que os adorassem.
    Eles perseguiram os judeus, destruíram o templo e também perseguiram cruelmente a igreja primitiva.
    E o Apóstolo João, em sua primeira epístola, fala de muitos anticristos e não de apenas um.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AINDA HÁ OUTRO BISPO, E ESTÁ NO SINGULAR "HOMEM DO PECADO" Não deixem que ninguém os engane de modo algum. Antes daquele dia virá a apostasia e, então, será revelado o homem do pecado, o filho da perdição.
      2 Tessalonicenses 2:3 OS IMPERADORES DE ROMA NÃO SE ENCAIXA NO PERFIL DESTE HOMEM QUE ESTÁ POR VIR, E AINDA EXISTE OUTRO TEMPLO A SER ERGUIDO, Este se opõe e se exalta acima de tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, a ponto de se assentar no santuário de Deus, proclamando que ele mesmo é Deus.
      2 Tessalonicenses 2:4

      Excluir
  15. "Senhor Jesus, amado Jesus....
    Te pedimos que nos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento de Ti!
    Te pedimos que abra os nossos olhos espirituais, como tua noiva, para termos clareza de que estamos olhando firmemente para ti, Jesus Cristo, o autor e consumandor da nossa fé! Renova nos nossos corações a esperança da tua vinda... e nos enche de ousadia e de intrepidez para anunciar as boas novas de salvação para tantos que estão morrendo agora antes mesmo de verem o tempo do fim...
    Te amamos Jesus! Amen!"
    Amados manos, desta postagem, sabedoria e graça de Deus sobre nós! Carecemos do Espírito Santo que nos conduz a toda a verdade!
    em Jesus,
    nilson ferreira...
    P.S. - logo, logo, estaremos juntos com o Senhor, e então seremos como Ele é! Estou esperançoso para vermos juntos o filme do final dos tempos! Nos vemos em breve...

    ResponderExcluir
  16. Bem irmãos a paz do senhor, eu me chamo Lelis sevo do senhor ! gostei e muito do assunto sobre a reconstrução ou não do templo judaico, acredito que esta questão fomenta vastos comentários entre as partes, mais a minha visão com relação a ela é acreditar que haverá um terceiro templo porque? é que jerusalem é a nação religiosa, e qdo ele o homem do pecado se manifestar , e o mundo passará por tres anos de uma falsa paz, conforme retrata o cavalo branco de apocalipse, porem de onde o anticristo irá ggovernar as questões religiosa? Jesus disse: eu vim em nome do meu pai vc's ñ creram, quando vier em outro nome , vós crereis, portanto amados eu acredito na reconstução de um 3º templo

    ResponderExcluir
  17. Bem amados se vai reconstruir ou não Deus o sabe... mais uma coisa é certa !!!!! Jesus cristo vem prepara-te.

    ResponderExcluir
  18. Caro pastor,meu nome é dirley.Com relação a questão se os judeus vão ou não construir o terceiro templo,eu creio que seja viavel.Para aqueles que não crÊem num futuro reinado do anticristo fica realmente dificil crer nessa possibilidada,mas para quem acredita que virá o anticristo essa possibilidade fica mais crara.O senhor diz que a bíblia não fala nada sobre a construção do terceiro templo,mais a coisa não é bem assim.Voltemos ao nosso texto áureo;seg.tess.2.No verso 4 diz que o anticristo se assentará no templo de deus e o profanará.Alguém pode perguntar se é possível construir o terceiro templo no local onde hoje está fincada uma mesquita muçulmana,já que os judeus dificilmente aceitariam construir seu templo em outro local,isso porque foi exatamente alí que o segesundo templo foi reconstruido.O fato é que quando o anticristo se manifestar,vai propor um acordo de paz entre árabes e judeus.Nesse acordo todos os assentamentos judaicos sairiam da palestina e esta se tornaria uma nação "livre e independente",em troca os árabes abririam mão da mesquita,permitindo assim que osna judeus construissem seu templo.Diante do quadro atual,onde os pelestinos anseiam tornarem-se uma nação e também desejam a saída dos assentamentos judaicos de suas terras e onde muitos judeus anseiam pela derrubada da mesquita e a construção do terceiro templo,é uma possibilidade bem provavél. aquel
    Independente do desenrrolar dos fatos,o importante é estarmos preparados para aquele grande dia.
    JESUS VEM!PREPARA-TE.

    ResponderExcluir
  19. Caro Dirley,

    As cartas de Paulo aos Tessalonicenses foram escritas por volta do ano 52, ou seja, 18 anos antes da destruição do templo. É notório que o General Tito profanou o templo e o Santo dos Santos, quando da destruição de Jerusalém no ano 70. Muitos imperadores romanos, a semelhança de Nabucodonosor, exigiram que o povo lhes prestasse culto como se fossem deuses. Portanto, quando Paulo escreveu suas cartas, o Anticristo ainda não havia se manifestado, o templo ainda não havia sido profanado e nem destruído.

    ResponderExcluir
  20. Caro Lelis,
    Jesus profetizou a destruição do templo que seria profanado pelo abominável da desolação de que falou o profeta Daniel. Tudo isto se cumpriu no ano 70 desta Era Cristã. Embora Jesus tenha profetizado sua destruição, ele jamais profetizou a reconstrução daquele templo. Nem ele e nem seus discípulos.
    "Deus não habita em templos construídos por mãos humanas", nós somos templo de Deus! A Igreja é o corpo de Cristo. No Livro de Apocalipse, não vemos a Besta sentada em nenhum templo em Jerusalém. No entanto, é dito que a Besta faz uma imagem de si mesma e reivindica adoração (14.9). A grande tribulação mencionada em Apocalipse é de caráter universal, com mártires cristãos provenientes de todos os povos e nações (Ap 7.14).
    Na Nova Jerusalém não haverá templo! "E nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro" (Ap 21.22).

    ResponderExcluir
  21. Não, isso contraria o ensinamento de Cristo, voltarão os sacrifícios de animais, coisa obsoleta e tribal. Afinal, Jesus é ou não é cordeiro que foi imolado p/ tirar os pecados do mundo? então.

    ResponderExcluir
  22. Creio que este assunto é mt complexo, mas antes de querermos colocar a bíblia dentro de qualquer teologia pré-moldada gostaria de solicitar a todos um exame cuidadoso do texto de Mat 24.
    Sobre q templo o texto está se referindo, o templo da época de Jesus, ou um novo templo quer será erguido?
    Se os judeus irão construir um novo templo eu não sei, mas o templo de Mat 24 já foi destruído, basta lermos o texto:

    " E, quando Jesus ia saindo do templo, aproximaram-se dele os seus discípulos para lhe mostrarem a estrutura do templo.
    Jesus, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derrubada."
    Qual é a dificuldade do texto a não a de tentar querer colocar o texto dentro de uma teologia pré-moldada?
    Veja o que Jesus disse:

    "Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda;
    16 Então, os que estiverem na Judéia, fujam para os montes;
    17 E quem estiver sobre o telhado não desça a tirar alguma coisa de sua casa;
    18 E quem estiver no campo não volte atrás a buscar as suas vestes.
    19 Mas ai das grávidas e das que amamentarem naqueles dias!
    20 E orai para que a vossa fuga não aconteça no inverno nem no sábado;
    21 Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver."
    Quem´já leu o historiador judeu Flavio Josefo sabe que tal coisa já ocorreu ...
    Jesus estava falando sobre aquele templo que estava sendo contemplado pelos discipulos, uma outra sujestão para interpretar de modo diferente seria uma visão futuristica, ou seja, eles olhavam p/ aquele templo mas via um outro futuro (único modo de interpretar diferente)
    Há, Jesus deve ter errado tb na profecia:"Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam."
    Prefiro acreditar que Jesus estava respondendo duas perguntas feitas pelos discipulos:"Dize-nos, quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo"
    Sobre o anti-Cristo, o apóstolo João disse haver vários, por que não considerar a palavra do amado apóstolo ...
    Graça e paz!

    ResponderExcluir
  23. A paz do Senhor irmãos!
    Tenho acompanhado o debate sobre este tema e achei muit enriquecedor não importa quem tem razão o importante é chegar um denominador comum, mas quero fazer um comentario, se considerar-mos que as profecias de Matheus já cumpriram, então não havera mais a grande tribulação e as pragas do apocalipse? Jesus está dizendo que nunca houve e nem haverá aflição como aquela e disse mais e logo depois da aflição daqueles dias aparecerá no ceu o sinal do filho do homem e ele enviará os seus anjos para recolher os escolhidos, uai então Jesus já veio e nos ficô.
    Deus abençoe a todos.

    ResponderExcluir
  24. Como bem ressaltou o irmão Nilson, o historiador Josefo mesmo disse que são sem precedentes os sete anos de tribulação que a cidade de Jerusalém sofreu e que culminaram com a destruição de toda a cidade, profanação e destruição do templo. As profecias de Cristo a este respeito se cumpriram cabalmente.
    Já a Grande Tribulação mencionada em Apocalipse nada tem a ver com Jerusalém ou com o templo. Desafio a qualquer um a provar o contrário. Em Apocalipse também não há nenhuma menção ao Abominável da Desolação que profana templo e cerca Jerusalém. O que temos em Apocalipse é a descrição de um Anticristo e não um antisemita. A Besta apocalíptica persegue a Igreja. As cartas do Apocalipse foram destinadas a igrejas que padeciam grande tribulação sob a tirania de despotas romanos. A multidão dos mártires é compostas por cristãos que alvejaram suas vestiduras no sangue do cordeiro e que morreram no período da Grande Tribulação como bem ensina Apocalipse 7.14.
    Portanto, Jesus profetizou que o templo seria destruído, e assim aconteceu. Nem Jesus e nem os seus discípulos jamais ensinaram que o templo seria reconstruído novamente. Tal ensino não é cristão. Ensinar que a reconstrução se faz necessária vai de encontro ao ensino do autor de Hebreus que mostra a superioridade da Nova Aliança sobre a Antiga. Deus não habita em templos construídos por mãos humanas! A Igreja é o Corpo de Cristo em que Deus habita!

    ResponderExcluir
  25. Olá Pastor

    Se me permite:
    O senhor diz que no Apocalipse não há menção da abominação da desolação que profana o templo:

    "Já a Grande Tribulação mencionada em Apocalipse nada tem a ver com Jerusalém ou com o templo. Desafio a qualquer um a provar o contrário. Em Apocalipse também não há nenhuma menção ao Abominável da Desolação que profana templo e cerca Jerusalém. O que temos em Apocalipse é a descrição de um Anticristo e não um antisemita. A Besta apocalíptica persegue a Igreja. As cartas do Apocalipse foram destinadas a igrejas que padeciam grande tribulação sob a tirania de despotas romanos. A multidão dos mártires é compostas por cristãos que alvejaram suas vestiduras no sangue do cordeiro e que morreram no período da Grande Tribulação como bem ensina Apocalipse 7.14."

    Porém vejamos Apocalipse:

    "E FOI-ME dada uma cana semelhante a uma vara; e chegou o anjo, e disse: Levanta-te, e mede o templo de Deus, e o altar, e os que nele adoram.
    E deixa o átrio que está fora do templo, e não o meças; porque foi dado às nações, e pisarão a cidade santa por quarenta e dois meses.
    E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de saco." (Apc. 11:1-3)

    Olhemos, pastor, se menciona no Apocalipse o Templo.
    E se menciona o templo e o seu átrio, que foi dado às nações, e pisarão a cidade santa por quarenta e dois meses.

    Portanto, sendo o Apocalipse palavra de Deus, e estando para ainda se cumprir - esse faz direta referência ao Templo e à Jerusalém, cidade santa, a qual será ainda pisada quarenta e dois meses.
    Isso jamais ocorreu em 70 d.C.
    Ou seja, 3 anos e meio, que é justamente o tempo que se encaixa na metade da semana de Daniel 9:27 a qual diz que se fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares, justamente na metade da semana, ou seja, por 3 anos e meio.

    Portanto, vemos, não só São Paulo e Daniel profetizaram que o Templo seria profanado pelo anticristo, como o próprio livro do Apocalipse que também menciona o Templo diz às nações pisarão a cidade santa quarenta e dois meses.
    Será que ainda não conseguimos ver??

    ResponderExcluir
  26. Caro irmão Jefté,
    O santuário ali mencionado simboliza a igreja verdadeira. Todos os verdadeiros filhos de Deus que o adoram em espírito e em verdade.
    Os dispensacionalistas acreditam que João está falando de um santuário literal que será reerguido em Jerusalém, um santuário físico, afirmando que este capítulo está falando da salvação dos judeus e não da igreja.
    Mas, conforme o contexto do Apocalipse (21:15) e passagens do Antigo Testamento como Ez 40:5; 42:20; 22:26 e Zc 2:1, essa medição significa apartar o povo de Deus do povo profano, para estar completamente seguro e protegido de todo dano. Medida é imunidade contra danos (21:15-17).
    Esta figura é a mesma que aparece dos 144.000 selados (7:4), dos homens que receberam o selo de Deus (9:4).
    Esses que são medidos são os verdadeiros adoradores, o verdadeiro Israel de Deus, a verdadeira igreja em contraste com os gentios, aqueles que permanecem na sua impiedade, e vão perseguir a igreja e adorar o anticristo.
    Essa proteção não se estende a todos os que se dizem cristãos (11:2). Os santos vão sofrer severamente, mas nunca perecerão, serão protegidos do juízo final. Mas, os membros mundanos da igreja que amam o mundo, estarão sem essa proteção.

    Argumentos que contribuem para o entendimento de que esse Santuário é espiritual e não físico:
    a) O NT ensina que o santuário de Deus é a igreja e não um prédio - Deus mora na igreja por meio do seu Espírito. Portanto, a igreja é seu santuário (1 co 3:16,17; 2 Co 6:16,17; Ef 2:21).
    b) O santuário representa as pessoas que oferecem o incenso da oração (11:1) - Ou seja, um símbolo de todos os verdadeiros cristãos.
    c) O santuário refere-se aos fiéis enquanto os que estão no átrio exterior não recebem proteção (11:2)
    Tanto o santuário como o átrio exterior refere-se a pessoas e não a edifício físico.
    d) Todos os salvos são contados, selados e protegidos
    (7:4; 22:4) - Tanto o contar, como o selar e meditar são figuras da proteção da igreja. Assim, a verdadeira igreja na terra, o santuário espiritual é simbolizado pelo santuário terrenal de Israel, assim como Israel físico é símbolo da igreja verdadeira.
    Esta interpretação concorda com o simbolismo do VT (Ez 43, 47) - Ezequiel fez uma representação da igreja como Corpo de Cristo. Assim na figura do santuário, a igreja é o povo que adora a Deus e na próxima figura, a figura das testemunhas, a igreja é o povo que proclama a Palavra de Deus perante as pessoas. A igreja é o povo que fala a Deus e aos homens.

    O que simboliza esses quarenta e dois meses?
    Esse período não é literal. Ele fala da perseguição do mundo durante todo o período da igreja, da primeira à segunda vinda de Cristo. Obviamente, na medida em que o tempo avança para o fim essa perseguição torna-se mais renhida.
    Esse período de 42 meses e 1.260 dias não pode ser entendido literalmente, pois o tempo dos gentios (Lc 21:24), deveria começar no ano 70 quando Jerusalém foi destruída pelos romanos. No livro de Apocalipse esse tempo representa: 1) O tempo em que a cidade santa é oprimida (11:2), o tempo em que as duas testemunhas executam o seu testemunho (11:3), a mulher celestial, a igreja, será preservada no deserto (12:6,14), e o tempo que a besta tem permissão para exercer sua autoridade (13:5). Esse é o período que Satanás exerce o seu poder no mundo, especialmente nos últimos dias, com a atuação do anticristo.
    Esse período é um símbolo como a cruz vermelha ou a suástica, uma forma taquigráfica para indicar um período durante o qual as nações, os incrédulos parecerão dominar o mundo, no qual o povo de Deus manterá o seu testemunho.

    ResponderExcluir
  27. Para saber mais a respeito, leia Estudos no Livro de
    APOCALIPSE de Hernandes Dias Lopes
    Apostila que deu origem ao Livro:
    "Apocalipse: o Futuro Chegou, as Coisas que em Breve Devem Acontecer"

    ResponderExcluir
  28. Bispo, concordo com o senhor acerca do cumprimento do que Paulo falou em Ts 2, porém algo que não encaixa para mim ainda é a afirmação dele de que o Anticristo que se assentou no templo de Deus será"aniquilado como sopro de sua boca e o resplendor de sua vinda" se os textos estão falando de Tito, como entender o que Paulo esta falando que o: Templo de Deus, Anticristo e a sua destruição estão ligadas a sua vinda. Samuel oliveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Samuel,

      O "Abominável da desolação de que falou o Profeta Daniel" (Mt 24) foi o General Tito, que sitiou por 7 anos a cidade de Jerusalém, depois profanou o templo e destruiu a cidade, conforme a profecia de Daniel (9) e de Jesus (Mt 23 e 24): "o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações" (Dn 9.26). Repare que este texto de Daniel ensina que depois da destruição da cidade e do santuário continuará há haver guerras. Ou seja, não é o fim, a história segue o seu curso, conforme tem acontecido. Sugiro que leia o estudo que escrevi sobre as Setenta Semanas de Daniel. Lá eu demonstro que esta profecia tem a ver com os juízos de Deus sobre o povo de Israel, que, em 586 AC teve o templo e a cidade destruídas por Nabucodunosor por terem se desviado de Deus, abraçando outros deuses. Jeremias havia profetizado que o cativeiro babilônico duraria 70 anos. Então, completado este período, Daniel ora confessando o pecado de seu povo com a expectativa de que tenha chegado o tempo de restauração do reino de Israel, mas recebe esta profecia que diz que Setenta Semanas ainda estão determinadas sobre o povo de Israel, dizendo ainda que o ungido seria morto e, em decorrência disto, mais juízos se abateriam sobre Jerusalém, com nova profanação do templo e destruição da cidade. Em Mateus 23, Jesus declara que um grande juízo recairia sobre Israel por terem matado os profetas e rejeitado o Salvador de Deus e que o templo seria destruído naquela mesma geração.
      Tudo isto se cumpriu cabalmente conforme as profecias de Daniel e de Cristo. Este sermão das últimas coisas está registrado em todos os Evangelhos sinóticos, que foram escritos antes de 70 dC, ano da destruição do templo. Notar que o Evangelho de João, escrito posteriormente, não menciona esta profecia, pois já não se tratava mais de profecia, mas, sim, de história! Em sua primeira Epístola, João afirma a existência de muitos anticristos. Em Apocalipse, o anticristo é denominado de Besta. E fala da existência de não apenas uma, mas duas. A Grande Tribulação de que fala o Apocalipse é de caráter universal, tratando-se da perseguição das Bestas contra a Igreja. Nada tem a ver com o povo de Israel e nem está focada em Jerusalém. Os mártires são cristãos procedentes de todos os povos, tribos e nações! Portanto, haverá um anticristo derradeiro, o qual o Senhor Jesus destruirá com o sopro de sua boca por ocasião de sua gloriosa Vinda. Um grande abraço!

      Excluir
    2. Se prestarmos a atenção no texto de Ageu 2:9, não parece ficar claro que o templo de Herodes, concluído em 64 d.C., foi o ultimo templo de pedra a ser construído pelos judeus, vindo, depois dele, a Igreja?
      Vejamos:
      “A glória desta ÚLTIMA casa será maior do que a da primeira, diz o SENHOR dos Exércitos; e, neste lugar, darei a paz, diz o SENHOR dos Exércitos.” (Ageu 2.9)

      Excluir
    3. Caro Marcelo, a profecia de Ageu se refere ao segundo templo que estava sendo construído em seus dias, portanto, "última casa" é uma óbvia referencia ao templo recém-construído e que estava sendo motivo de desdém devido a ser aparentemente inferior ao primeiro, construído por Salomão. A glória deste último foi realmente maior do que a do primeiro, pois Cristo entrou nele e o purificou. Depois da purificação do templo, é dito que Jesus passou a atender as crianças e os enfermos, que eram por ele curados. Jesus profetizou a destruição deste segundo templo devido a rejeição de Israel que não reconheceu aquele que trazia a paz. Jesus jamais profetizou a reconstrução do templo, mas falou de seu corpo como templo. E nEle que encontramos a paz!

      Excluir
  29. Obrigado pela explicação. Já estudei muito escatologia pela visão pre-tribulacionista hoje acabei adotando o Amilenismo pois acho que a maneira mais clara para se entender a doutrina das ultimas coisas. A propósito gostei da participação do Sr no programa Vejam só e achei a interpretação do outro Pr de que a palavra Apostasia significa "afastamento" e não deserção da fé uma distorção total do texto.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Samuel o amilenismo é bem mais consistente com as Escrituras Sagradas que o pré-tribulacionismo. O próprio Pr. Gabriel reconheceu que era fraco o argumento em favor de traduzir o termo apostasia como afastamento querendo com isto significar arrebatamento. Jesus mesmo havia apontado a apostasia de muitos cristãos nos finais dos tempos como um dos sinais da Segunda Vinda. Além disso, não haveria coerência alguma em substituir o termo apostasia por afastamento ou arrebatamento dentro do contexto de 2Ts 2.1-3, pois teríamos como resultado algo assim: "Irmãos, quanto à Vinda de nosso Senhor e nossa reunião com Ele (que sabemos se dará através do arrebatamento), rogamos a vocês que não se deixem abalar nem alarmar tão facilmente, quer por profecia, quer por palavra, quer por carta supostamente vinda de nós, como se o dia do Senhor já tivesse chegado. Não deixem que ninguém os engane de modo algum. Porque antes daquele dia virá o "afastamento ou arrebatamento" e, então, será revelado o homem do pecado, o filho da perdição". Portanto seria contraditório afirmar que a Vinda de Jesus e o arrebatamento não acontecerão antes que se dê o arrebatamento e a aparição do anticristo. Paulo claramente está afirmando que existem pelo menos dois sinais que precisam acontecer antes da Segunda Vinda de Cristo e do Arrebatamento ocasião em que se dará a nossa reunião com ele. Portanto, Paulo está claramente ensinando o pós-tribulacionismo. Pois a Segunda Vinda de Cristo e o arrebatamento só acontecerão após a manifestação do anticristo.

      Excluir
  30. Caro Paulo,
    O Besse não é um solitário, existem outros "burros", possivelmente "loucos"que não se acham sábios e entendidos, portanto cre no que a Biblia Diz. O Hoem da iniquidade, de acordo com o contexto de 2a Ts. 2. 1-11 é destinado a disciplina de alguem. Afinal de contas de quem? Veja:

    A AÇÃO DO HOMEM DA INIQUIDADE. A QUEM SE DESTINA? - Está claro que há dois eventos bem definidos, quais são: de um lado a conclusão do propósito da primeira vinda, com o Arrebatamento da Igreja (1ª Ts. 4.13.17) e, do outro, a 2ª vinda de Cristo (Mt. 24.30), que se dará , após a ação disciplinar imposta àqueles que pereceram, não sendo arrebatados e, conforme 2ª Ts. 2.10, que diz: “… aos que perecem, porque não acolheram o amor da verdade para serem salvos (esta não é a igreja!). Uma análise teológica simples verificará 2ª Ts. 2.1-12, qual a definição do caráter e função do homem da iniquidade. Quanto ao caráter ele é contra a ideia de tudo que represente o Cristo, ao tempo, que quer assumir a identidade do próprio Deus; querendo sentar-se em trono, como se fosse Deus. Quanto à função, Ele exerce o papel de disciplinador, que tem a permissão do ETERNO (2ª Ts. 2.12), para aplicar disciplina aos que rejeitaram o sacrifício de Jesus no período chamado "tempo dos gentios", perderam o amor da verdade 2ª Ts. (2.11). E até que os tempos dos gentios se completem, Jerusalém será pisada por eles" (Lucas, 21: 20). "Estes por quarenta e dois meses calcarão aos pés a cidade santa. " (Ap. 11.2).
    É por este motivo, pois, que Deus lhes manda a operação do erro, para darem crédito à mentira. Portanto, é verdade que o homem da iniquidade se manifestará antes da 2a vinda do Senhor Jesus (2a. Ts. 2.2), porém, antes dele se manifestar, a Igreja será tirada da terra (Is. 57.1, Ap. 3.10).
    A nós foi enviado o ESPÍRITO SANTO, para nos conduzir a toda verdade, porém, aqui, o que é enviado é “o espírito do erro” (2ª Ts. 2.11).

    Veja mais: 2ª Ts. 2.12 a fim de serem julgados todos quantos não deram crédito à verdade (mais uma vez, para a igreja estar inserida aqui, ela teria que ser condenada por não ter dado crédito à verdade); antes, pelo contrário, deleitaram- se com a injustiça. Ao analisar o caráter do anticristo, conforme os textos acima, fica muito óbvio que sua missão é atender a permissão do TODO PODEROSO, executando sua disciplina para aqueles que rejeitaram o amor do Senhor Jesus. Os que não foram raptados pelo Senhor, experimentaram a amarga experiência de serem vencidos: Foi- lhe dado, também, que pelejasse contra os santos e os vencesse (Ap. 13.7).
    O caráter da missão do anticristo é executar punição (2a. Ts. 2.10-12) aos que estarão lamentando, por causa da suas recusas em acolher o amor à verdade, deleitaram-se com a injustiça ,e agora, desesperados, saem à procura do “azeite” que lhes faltou, quando veio o Noivo; para que lhes condicionassem. Eles agora … se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória (Mt. 24.30b). Veja, meu caro, não há como a Igreja ser disciplinada por este infame, nem passar pelos crivos de suas maldades. Naquele dia, vós conhecereis que eu estou em meu Pai, e vós, em mim, e eu, em vós (Jo.14.20). Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, este é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele. (Jo.14.21). Disse-lhe Judas (não o Iscariotes): Senhor, de onde vem que te hás de manifestar a nós, e não ao mundo? (Jo.14.22), [Preste atenção: [“E NÃO AO MUNDO]. Respondeu Jesus: Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada (Jo.14.23).Já não falarei muito convosco, porque aí vem o príncipe do mundo; e ele nada tem em mim (Jo.14.30); contudo, assim procedo para que o mundo saiba que eu amo o Pai e que faço como o Pai me ordenou. Levantai- vos, vamo- nos daqui (Jo.14.31). Espero tê-lo ajudado de alguma forma.

    Abraços Fraternos,

    Souza

    ResponderExcluir
  31. “Não deixem que ninguém os engane de modo algum. Antes daquele dia virá a
    apostasia e, então, será revelado o homem do pecado, o filho da perdição. Este se opõe
    e se exalta acima de tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, chegando até
    a assentar-se no santuário de Deus, proclamando que ele mesmo é Deus”
    (2 Ts. 2:3-4,). Como não?

    ResponderExcluir
  32. Caro Bispo,
    Suas explicações são bastante convincentes, porém há alguns detalhes que parecem ter passado em branco.
    Veja o que está dito a respeito da manifestação de um sujeito chamado de o HOMEM DO PECADO, o filho da perdição (2 Ts 2:3): “Cuja vinda é segundo a eficácia de satanás, com todo o poder e sinais e prodígios de mentira; e com todo o engano da injustiça para os que perecem”.
    Não conheço tão bem a história, como o nobre amigo, mas não creio que isso tenha se cumprido com o general Tito, correto?
    Logo, Paulo, na carta aos tessalonicenses, por certo, está falando do tempo do fim e não de 70 d.C., o que nos trás um problema com a relação à expressão TEMPLO DE DEUS (2 Ts 2:4).
    Outrossim, em Ap 13:13, está dito que haveria, no tempo do fim, uma besta, com dois chifres semelhantes aos de cordeiro, que falaria como o dragão (falaria mentiras) e que faria grandes SINAIS, de maneira que até fogo ela faria descer do céu à terra, à vista dos homens. Com tais SINAIS, ela enganaria os habitantes da terra, levando-os a construir uma imagem da primeira besta apocalíptica, a qual seria objeto de adoração mundial.

    Temos, então, duas possibilidades com relação a essa segunda besta apocalíptica (que opera sinais):
    1 - A primeira delas é considerar tal besta um SISTEMA RELIGIOSO (e não um homem), que operaria sinais e prodígios de mentira, exatamente como vemos atualmente, nos meios de comunicação, muitas SEITAS avocando pra si a capacidade de realização de milagres em nome do Senhor Jesus.
    Isso está em harmonia com Mt 24:24, onde o Mestre diz que, no tempo do fim, surgiriam falsos cristos e falsos profetas que realizariam grande SINAIS e PRODÍGIOS (de mentira), que, se possível fora, enganariam até os escolhidos; ou seja, para o tempo do fim, Jesus não citou uma pessoa em específico.
    Outro trecho que parece estar em harmonia com esse pensamento é Apocalipse 16:14 que diz que “da boca do dragão, da boca da besta e da boca do falso profeta” sairiam três espíritos de demônios que fariam PRODÍGIOS (de mentira, por certo).

    2 – A segunda é considerar tal besta como sendo um homem, o FALSO PROFETA, o que parece estar em harmonia com a descrição dada por Paulo em 2 Ts 2:3, que cita o HOMEM DO PECADO.

    (continua...)

    ResponderExcluir
  33. (continuação...)

    Se considerarmos a primeira hipótese verdadeira, ou seja, que a besta é um SISTEMA RELIGIOSO FALSO (por isso a expressão “falso profeta”), teríamos, então, que alegorizar a expressão HOMEM DO PECADO, o que não parece ser um problema insolúvel, pois as DUAS TESTEMUNHAS apocalípticas também são citadas como DOIS PROFETAS (Ap 11:3, 10), no entanto são DUAS OLIVEIRAS e DOIS CASTIÇAIS (Ap 11;:4), os quais, na linguagem apocalíptica, referem-se às IGREJAS (Ap 1:20).
    A Bíblia, por vezes, utiliza essa linguagem, como, por exemplo, quando duas nações lutavam no ventre de Rebeca (no fundo eram duas crianças), ou quando o anjo cita as sete cabeças da besta, dizendo que eram sete montes, mas que também eram sete reis (ou reinos), em Ap 17:9.
    Como SISTEMA RELIGIOSO FALSO, poderíamos entender que Paulo, em 2 Ts 2:4, estaria afirmando que as SEITAS, através de um falso evangelho, se levantariam contra tudo que se chama Deus e o adora (contra a verdade), de forma que, como Deus (como se fossem Deus), edificariam um falso templo para Deus e se assentariam nele, trazendo os fiéis após si e não após o verdadeiro Deus.
    No tempo do fim, esse sistema religioso falso promoveria um SANTO CONCERTO (Dn 11: 28) e, num determinado período, profanaria o santuário de Deus (a igreja verdadeira) e estabeleceria a ABOMINAÇÃO DESOLADORA (Dn 11:31 e Dn 12:11), edificando uma IMAGEM da primeira besta apocalíptica (Ap 13:14).

    Se considerarmos que a segunda hipótese estaria certa, ou seja, que o HOMEM DO PECADO é, de fato, um homem, alguns problemas poderiam surgir, mas, em contrapartida, resolveria, por exemplo, a questão da BABILONIA, A MÃE DAS PROSTITUIÇÕES, a qual parece ser, essa sim, um sistema religioso falso, com suas filhas: as igrejas apóstatas (Ap 17:5).
    Outro argumento que poderia favorecer essa posição é o fato das diversas religiões aguardarem o aparecimento de um profeta (um líder espiritual); no entanto, teríamos o problema do TEMPLO de Deus para que esse fulano possa entrar, assentar-se e exigir adoração.
    Claro que podemos considerar o TEMPLO de Deus como sendo a IGREJA verdadeira, de sorte que esse fulano, edificando uma imagem, se faria presente dentro da igreja de Cristo, profanando-a, à medida que exige adoração dessa imagem.
    Conjecturando acerca dessa IMAGEM, poderíamos até entender que se trata de uma BÍBLIA ADULTERADA que traria a imagem da nova religião mundial, em cima da qual, todas as igrejas teriam que pregar. De sorte que, os que se recusassem estariam mortos, ou seja, excluídos, inclusive do sistema financeiro mundial.

    Submeto minhas argumentações ao nobre amigo, esperando sua preciosa análise.
    Que Deus nos abençoe!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

A Igreja passa pela Grande Tribulação?

Lições extraídas da história de Mefibosete