Pular para o conteúdo principal

O Espírito Santo, o Reino de Deus e a Missão da Igreja

(Autor: Bispo José Ildo Swartele de Mello)

A relação da Grande Comissão com o Espírito de Deus é explícita. Não apenas em Atos 1 e 2, mas também vemos isto em outras passagens como, por exemplo, em João 20.19.23, onde Jesus diz “recebam o Espírito Santo” e em seguida comunica a missão. O mesmo se pode ver em Lc 24.47-49. O capítulo primeiro de Atos introduz o tema do Espírito Santo em estreita relação com tudo que vai acontecer no decorrer da história da Igreja. O Espírito Santo é a coluna vertebral de todo o Livro de Atos.

Sabemos que Lucas é o autor tanto do Evangelho de Lucas como também do Livro de Atos. Ele começa o livro de Atos dizendo: “Escrevi o primeiro livro, ó Teófilo, relatando todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar até ao dia em que, depois de haver dado mandamentos por intermédio do Espírito Santo aos apóstolos que escolhera, foi elevado às alturas” (At 1.1-2). Ao dizer “começou”, Lucas certamente quer comunicar que existe agora uma continuidade da obra de Cristo na missão da Igreja pelo poder do Espírito Santo. A intenção de Deus é de que tudo o que a Igreja venha a fazer seja a continuação da obra de Jesus e isto só é possível através da capacitação do Espírito. É uma promessa mais que um mandamento, quando vier o Espírito Santo, vocês receberão poder (At 1.8). Poder para ir as nações e poder transformador que atua na história. Missão do Espírito e da Igreja se dá nesta era que vai da primeira a Segunda Vinda de Cristo.

Ainda no capítulo primeiro de Atos, temos a questão a respeito de quando se daria a restauração do Reino da Israel. Falar em reino é também falar em poder. Observe, então, que a resposta de Jesus aponta para o fato de que eles receberiam poder por obra do Espírito Santo e que assim que se daria a manifestação do Reino de Deus, que não apenas se restringiria a nação de Israel, mas que teria um alcance muito mais amplo, envolvendo todas as nações. Pois Jesus não veio para ser apenas o Rei de Israel, mas para ser o Rei de todas as nações (Jr 10.7; Ap 15.3). Vemos o propósito universal do Reino de Deus e da missão da Igreja também no dia de Pentecostes, no fato da ação do Espírito promover a conversão de uma multidão proveniente de várias partes do mundo. Tem algo muito interessante no fato do fenômeno que se deu, a reverso de Babel, quando ali, pessoas de distintas nacionalidades, estavam podendo entender a mensagem do Evangelho cada um em sua própria língua materna. O que foi um claro sinal dos tempos, pois se em Babel, houve a confusão de línguas e a dispersão dos povos, em Pentecostes, por meio do Espírito, se dá o contrário, pessoas de distintas nações estão sendo unidas e batizadas na Igreja, formando um só povo que se submete ao senhorio do Rei das Nações (At 2.1s).

O derramamento do Espírito em Pentecoste ocorreu imediatamente após a ascensão de Cristo e é inseparável dela. Jesus foi entronizado como Senhor e Messias (At 2.36), como o Rei de todo o Universo, e é desta posição que ele enviou o seu Espírito para capacitar a sua Igreja a cumprir sua missão de fazer discípulos de todas as nações.i

O Espírito Santo é a fonte da Missão da Igreja. Em Pentecostes, vemos como o Espírito conduz os discípulos para fora do cenáculo para proclamação do Evangelho. O início da evangelização dos gentios é de total iniciativa do Espírito Santo tanto no caso do Etíope (At 8.29) como no de Cornélio (At 10.19s). Os primeiros versos do capítulo 8 de Atos mostram como a grande perseguição sofrida pela Igreja em Jerusalém tornou possível a difusão do Evangelho. E, em Atos 11.19-21, temos o registro de como os discípulos alcançaram outros lugares do mundo, chegando o Evangelho até os gentios em Antioquia. E Rm 15.24-28 revela os planos de Paulo de levar o Evangelho até os confins do mundo conhecido por ele, a saber, a Espanha. Em Atos 16.6-13, vemos os discípulos são impedidos pelo Espírito a pregarem a Palavra na Ásia, e depois são conduzidos por uma visão do Espírito para a Macedônia. Vemos aí que o Espírito Santo não dava apenas poder para a missão, mas dava também a direção. Em At 13, vemos que tanto o envio para missão como também a escolha dos líderes era obra do Espírito Santo. E, em At 15, temos o registro do maior problema teológico da Igreja primitiva que foi aquele que dizia respeito ao relacionamento dos judeus com gentios. O próprio Pedro custou a entender que os gentios estavam incluídos no propósito de Deus como vimos no episódio da evangelização de Cornélio e sua família. Assim, vimos que foi o Espírito Santo quem iniciou a Missão (At 13.2), guiou a Missão (8.29, 16.9) e é quem trabalha nos corações preparando-os para a recepção do Evangelho (At 16.14; Jo 16.8). E os próprias virtudes, realizações, dons, sinais e maravilhas são todos obras do Santo Espírito de Deus na vida do crente e da Igreja (Gl 5, 1 Co 12-14, At 2), a fim de que possamos ser uma ilustração viva da realidade do Reino de Deus, que tem o Jesus como Rei, Senhor e Cabeça.

Até mesmo em coisas corriqueiras, como, por exemplo, a dificuldade administrativa na distribuição diária de alimentos para os necessitados (At 6.1s.). Como resposta a este problema, foram eleitos 7 diáconos que precisavam, para isto, possuir mais do que aptidões técnicas, necessitavam ser cheios do Espírito Santo (6.3).

Como já vimos no estudo que fizemos sobre a natureza do Reino de Deus na era presente. Jesus exerce o seu senhorio através da ação do Espírito Santo. Como Deus disse em Zacarias 4.6: “Não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito”. Não é a soberania de um monarca arbitrário, mas a de um Messias ou Rei crucificado. É pelo Espírito de Deus que as pessoas recebem a revelação de que Jesus é o Senhor (1 Co 12.2), assim como foi por revelação do Espírito que Pedro foi capaz de confessar: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus Vivo” (Mt 16.16, Rm 8.16). Cristo significa o Rei Ungido de Deus, o Messias que fora prometido a Israel, que viria com a incumbência de trazer o Reino de Deus (Jo 11.27).

Existe um paralelo entre o fruto do Espírito Santo registrado em Gálatas 5 com as bem-aventuranças descritas por Jesus em seu Sermão do Monte, pois ambos são uma descrição do caráter de Cristo, que devem também modelar o caráter cristão. A maior obra do Espírito é transformar cada cristão na imagem de Cristo, para que sirvam ao propósito de refletir a glória de Deus na sociedade. O Espírito de Deus está ativo para criar uma Igreja que reflete os valores do reino. A Igreja não cumpre sua missão apenas pelo que diz, mas pelo que faz, como decorrência natural do que ela é e de sua relação com o Senhor. Pelo poder e graça do Espírito Santo a Igreja é capacitada a cumprir sua missão de ser testemunha do Rei Jesus e de ser sal da terra e luz do mundo, fermento que leveda a massa.

i Padilla, René C. y Yamamori, Tetsunao, editores. La iglesia local como agente de transformación. Uma eclesiologia para la missión integral. Buenos Aires: Kairós. 2003. P. 36.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

"Tudo, porém, seja feito com decência e ordem" (I Co 14:40)

O Apóstolo Paulo exorta desta maneira a igreja de Corinto que precisava aprender que a ação do Espírito produz ordem e e decência, e não bagunça e confusão. A liberdade do Espírito não é incompatível com a ordem e a decência deste mesmo Espírito, pois "Deus não é Deus de desordem" (1Co 14.33). Portanto, toda desordem no culto não é de procedência divina. Sabedores disto, cabe aos pastores botarem ordem na casa, não permitindo que o culto seja enrolado e descontrolado. Assim como Paulo estabeleceu regras para o bom andamento do culto, devemos nós fazer o mesmo.

Alguns exemplos de coisas que devemos evitar em um culto:

O culto deve ser objetivo, enxuto, sem vãs repetições.

Cada participante deve possuir uma clara consciência da integridade do culto para não invadirmos a área do outro.

Um dirigente de culto e um líder de louvor não devem fazer comentários bíblicos prolongados, visto que já teremos um pregador…

Lições extraídas da história de Mefibosete

Áudio:
Vídeo:
Mefibosete from Ildo Swartele Mello on Vimeo.

Lições extraídas da história de Mefibosete Mefibosete nasceu num "berço de ouro" de um "palácio real", pois era neto do Rei Saul, filho do Príncipe Jônatas (2Sam 4.4). Entretanto, uma tragédia se abateu sobre sua vida quando ele tinha apenas 5 anos de idade. Israel foi derrotado em uma sangrenta batalha. A notícia da morte de Saul e de Jônatas chegaram até a casa real; então, a babá de Mefibosete, temendo que o menino também fosse morto, o toma em seus braços e foge correndo, mas, na pressa, acaba tropeçando e deixando o menino cair. Na queda, Mefibosete despedaça os pés e fica aleijado.

Agora, ele está órfão de pai e mãe. Perdeu a majestade, perdeu a saúde e vive escondido em um humilde povoado na casa de um bom homem chamado Maquir, que foi quem o amparou, adotando-o como filho.

Tais tragédias são frutos da rebeldia do Rei Saul, que plantou ventos e acabou colhendo tempestades devastadoras para a sua …

A Igreja passa pela Grande Tribulação?

IntroduçãoOs pré-tribulacionistas afirmam que Deus não permitirá que a Igreja sofra no período da Grande Tribulação. Mas, não existe nenhum versículo bíblico que ensine que a Igreja não passará pela Grande Tribulação e nada existe também na Bíblia sobre uma Segunda Vinda de Cristo em duas fases ou etapas, separadas por sete anos de Grande Tribulação, e também não há nada sobre um arrebatamento “secreto”, pois não há nada de secreto e silencioso nos relatos que descrevem o arrebatamento da Igreja (1Ts 4.16-17; Mt 24.31). 
Outra incongruência deste ponto de vista é a ideia de um arrebatamento para tirar a Igreja e o Espírito Santo da Terra antes da manifestação do Anticristo. Se este fosse o caso, o Anticristo seria anti o quê? Anticristos são falsos profetas que já atuavam no mundo nos tempos mais primitivos da Igreja. Não devemos confundir Anticristo com a Besta ou Bestas Apocalípticas. Todas as menções ao(s) Anticristo(s) aparecem nas epístolas joaninas e dizem respeito aos hereges o…