terça-feira, 25 de setembro de 2018

Mas e Quando a gente ora e não recebe?


Muitos cristãos ficam confusos quando não recebem uma resposta imediata e positiva as suas orações, chegando ao ponto de duvidar do amor de Deus, escrevi o seguinte texto com a esperança de ajudar para um melhor entendimento das questões relativas a oração.

Não receber uma resposta imediata e afirmativa de Deus às nossas orações não significa que Deus não se importa conosco. Saiba que pessoas muito consagradas e amadas receberam um "não" como resposta as suas orações. Paulo orou insistentemente para se ver livre de um espinho na carne que o atormentava e ouviu um sonoro não de Deus, porque Deus tinha um propósito benigno através daquela enfermidade:
"E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar. Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim. E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte" (2Co 12.7-10).
Jesus mesmo teve uma de suas orações não atendidas. E damos graças a Deus por isto!
"Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua" (Lucas 22:42).
Com Jesus, aprendemos que orar é um ato de sujeição a vontade de Deus. Jesus nos ensinou a orar pedindo que a vontade de Deus seja feita na terra assim como acontece no céu. A vontade de Deus e não necessariamente a nossa.
Pois nem sempre sabemos orar de maneira conveniente:
"E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraquezas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis" (Romanos 8:26).
Pois, somente Deus, em sua onisciência, é quem sabe de todas as coisas e somente Ele pode dizer o que, de fato, é melhor para nós:
"O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa dos lábios vem do Senhor." (Provérbios 16:1)
Ainda criança, aprendi que Deus pode responder as nossas orações de três maneiras distintas:

  1. Sim
  2. Não 
  3. Espera

Nos alegramos muito quando temos nossas orações imediatamente respondidas.
"Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis, para que o vosso gozo se cumpra" (João 16:24).
Mas, e quando a gente pede e não recebe? Uma hipótese é que estamos orando mal:
"Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites" (Tiago 4:3)
Outra hipótese é que a de que devemos esperar o tempo certo para a resposta de Deus. Pode ser também que Deus já tenha dado uma resposta afirmativa e designado um anjo para o cumprimento da tarefa e que este esteja enfrentando alguma batalha espiritual nas regiões celestiais como aconteceu por ocasião de uma oração de Daniel:
"Então me disse: Não temas, Daniel, porque desde o primeiro dia em que aplicaste o teu coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, são ouvidas as tuas palavras; e eu vim por causa das tuas palavras. Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu vinte e um dias, e eis que Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu fiquei ali com os reis da Pérsia. Agora vim, para fazer-te entender o que há de acontecer ao teu povo nos derradeiros dias; porque a visão é ainda para muitos dias" (Daniel 10.12-14).
Nem todas as orações são respondidas imediatamente. Abraão teve de esperar muito tempo mesmo até que a promessa de ser pai se cumprisse em sua vida. José esperou décadas até que seus sonhos dados por Deus se tornassem realidade. Foi um longo período de decepção e sofrimento até ele chegar a ser governador do Egito.
"o SENHOR tem o seu caminho na tormenta e na tempestade" (Naum 1.3)
As três maiores virtudes do cristianismo são a fé, a esperança e o amor, lembrando que o amor é a maior de todas (1 Co 13.13). Noto que muitos pastores e crentes falam muito de fé e tão pouco de esperança. E, quando falam de fé, pensam nela como uma varinha de condão para alcançarem todos os seus desejos. Na galeria da fé de Hebreus 11, temos uma longa descrição de homens de Deus que por sua fé suportaram perseguições e sofreram a morte. Vemos aí que fé não existe apenas para alcançar coisas, mas também para suportar coisas.

O próprio amor "tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta" (1 Coríntios 13:7). Este amor cristão exige fé e esperança para tudo sofrer, tudo esperar e tudo suportar com muita confiança na providência divina.

Constatamos, então, que verdadeiros filhos de Deus nem sempre recebem respostas imediatas as suas orações e isto não pode ser interpretado com um desfavor de Deus. Deus, em seu soberano cuidado, pode responder com um sonoro "não" e pode também ser caso de que termos de esperar até o cumprimento da resposta afirmativa. Quer seja a resposta "sim", "não" ou "espera", podemos estar seguros do cuidado e do amor de Deus.

Portanto, não duvide jamais do amor de Deus!
"Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus" (Salmos 43:5).

Jesus, ensina-nos a orar!

No amor do Senhor,

Bispo Ildo Swartele Mello

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Qual o significado das Setenta Semanas de Daniel?





MINHA ENTREVISTA NO PROGRAMA CONSULTA DR. TEMA SANTIDADE NOS DIAS DE HOJE


RIT - CONSULTA DR. TEMAS BÍBLICOS - 16/09/2018

No programa acima, respondo diversas perguntas sobre santidade, questão da educação de filhos, paixões mundanas, questão dos vícios, drogas, sexo, fofoca, orgulho, vaidade, etc. Como a Igreja deve lidar com todas estas questões e tipos de pecados e pecadores. Foi uma avalanche de perguntas! Uma hora e meia de programa. Creio que vale a pena conferir!

terça-feira, 11 de setembro de 2018

A Última Trombeta

A Última Trombeta de 1 Coríntios 15.52 é também a Sétima Trombeta de Apocalipse 11.15-18. É importante notar que na expressão tripla e recorrente referente a Cristo que encontramos em Apocalipse 1:4, 8; 4:8, a saber: “aquele que era, que é e que há de vir”, aparece aqui faltando, propositalmente, a terceira parte. Isto porque, com o soar da Sétima Trombeta, se dará a Segunda Vinda de Cristo, não sendo mais apropriado dizer: “e que há de vir”, pois, nesta ocasião, já terá Ele regressado ao mundo com poder e glória para julgar os vivos e os mortos! Portanto, a Sétima Trombeta traz consigo o último “ai”, o Juízo Final (Ap 8:13; 9:12; 11:14). Lembrando que o Livro de Apocalipse não é uma narrativa retilínea de começo, meio e fim, mas de visões do mesmo quadro final, cada uma delas agregando detalhes mais específicos, de modo que temos pelo menos 3 visões do Juízo Final (Capítulos 11, 19 e 20).

1Co 15.51–54

51 Eis que vos digo um mistério: nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, 52 num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. 53 Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade. 54 E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória.

Ap 11.15–18

O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no céu grandes vozes, dizendo:
O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos.
E os vinte e quatro anciãos que se encontram sentados no seu trono, diante de Deus, prostraram-se sobre o seu rosto e adoraram a Deus, dizendo: Graças te damos, Senhor Deus, Todo-Poderoso, que és e que eras, porque assumiste o teu grande poder e passaste a reinar. Na verdade, as nações se enfureceram; chegou, porém, a tua ira, e o tempo determinado para serem julgados os mortos, para se dar o galardão aos teus servos, os profetas, aos santos e aos que temem o teu nome, tanto aos pequenos como aos grandes, e para destruíres os que destroem a terra.

João 5.28–29

“Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. 29 E tos que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal, para a ressurreição da condenação.”

Apocalipse 10.7

“mas nos dias da voz do sétimo anjo, quando tocar a sua trombeta, se cumprirá o segredo de Deus, como anunciou aos profetas, seus servos.”

1Tessalonicenses 4.16

“Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro”.

Mateus 24.31

“E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus.” (Lembrando que isto acontece no mesmo dia do aparecimento do Senhor sobre as nuvens do céus com poder e glória).

Postagem em destaque

Uma crítica ao dispensacionalismo

Dispensacionalismo, o que é? O dispensacionalismo é um sistema teológico que ensina que haverá sete dispensações na história huma...