Pular para o conteúdo principal

A Importância das Células


Células - o que são?

A reunião de cristãos em pequenos grupos para comunhão, cuidado mútuo, estudo bíblico e oração com intuito de promover o crescimento espiritual de seus participantes e a evangelização de parentes e amigos.

Importância

Wesley preocupou-se com estruturas, buscou estruturas para evangelizar as massas e também para promover a santidade e o crescimento espiritual dos convertidos. Wesley pesquisou entre moravianos e pietistas. A questão chave para a edificação de uma Igreja com uma comunhão saudável que vive, nutre e reflete os valores do Reino de Deus foi, no movimento Wesleyano, o sistema de classes ou pequenos grupos de discipulado e santificação. O pequeno grupo é importante, pois transmite fé e não apenas conhecimento. Aprendemos muito mais através do convívio do que através da leitura. O poder da cultura é maior do que a força de nossa cosmovisão. O que significa que não adianta mudar nossa consciência, pois sozinha a consciência tende a sucumbir à cultura. E as células são o melhor ambiente para o desenvolvimento da cultura cristã, onde são nutridos os valores cristãos através da vivência comunitária dos princípios do Reino de Deus.

Não se deve desprezar o valor precioso papel destes pequenos grupos de apoio e cuidados mútuos, que promovem um ambiente acolhedor, solidário e favorável, para o desenvolvimento da cultura e dos valores do Reino de Deus, através também de uma série e salutar ordem disciplinar, com exortação em amor, oração em favor uns dos outros e estímulos mútuos para o desenvolvimento do caráter cristão pessoal e comunitário. O movimento wesleyano demonstrou o valor imprescindível de estruturas normativas para disciplina e missão, algo como um pacto de membros e supervisão dentro do grupo e de disciplina e supervisão do grupo e seus líderes ao grupo mais amplo da Igreja.

Líderes Leigos

As reuniões em grupos pequenos são também o melhor espaço para o exercício de dons e ministérios, favorecendo, assim, a formação e a multiplicação de novos líderes, células e igrejas.

A Reforma protestante ergueu a bandeira em defesa do sacerdócio universal de todos os crentes, mas foi no movimento wesleyano que vimos isto se dar na prática. Wesley, durante seu ministério, chegou à conclusão de que os leigos poderiam e deveriam exercer o ministério sacerdotal. Isto foi fundamental para o crescimento quantitativo e qualitativo do movimento wesleyano e para o sucesso de sua missão. Pois, para que a Igreja possa exercer sua missão de modo integral, é indispensável que a missão seja entendida como ministério de cada crente e não fique restrita a uma elite de obreiros ordenados.

A missão da Igreja, portanto, não deve ser encarada como privilégio de um pequeno grupo de ministros ordenados ou como algo destinado para aqueles que recebem um chamado para o campo missionário no exterior. O cristão é missionário por excelência, onde quer que esteja, e não um cliente dos produtos da fé. Todos os membros da Igreja, sem exceção, por terem sido integrados no corpo, receberam dons e ministérios. A função dos líderes maduros da Igreja é equipar homens e mulheres para a missão da Igreja no mundo. Pois a Igreja não existe como um fim em si mesma, mas existe para servir a Deus no mundo na proclamação e expansão do Evangelho do Reino de Deus, por palavras e boas obras, o que implica a participação ativa e construtiva de cada cristão, homens e mulheres, jovens e idosos, cultos e incultos, pobres e ricos...

O Papel do Líder

Tendo a célula um caráter bem comunitário e participativo, a função do líder é a de facilitador. Ele não precisa ser um exímio pregador e nem muito carismático, pois o seu papel não é o de centralizar as ações, mas o de facilitar a participação de todos. Para tanto, basta que seja um bom crente, consciente do valor dos grupos pequenos para a cura e o bem estar da alma humana. Assumindo o sério compromisso de devotar tempo e esforços para a constituição e continuidade do grupo. É muito importante também que seja uma pessoa ensinável e leal a Deus e a liderança da igreja, sempre disposta a aprimorar-se para melhor servir.


O papel do Anfitrião

A figura do anfitrião é vital para o sucesso da célula. Os donos da casa não devem se sentir na obrigação de prepararem lanche para os participantes das reuniões. O líder deve deixar claro que esta não é uma obrigação deles. De fato, a questão do lanche nem é um requisito essencial para a realização da célula. Mas, se o grupo fizer questão de um lanche, deve organizar-se de tal maneira a não onerar o anfitrião. Tal medida visa também encorajar que mais pessoas abram a porta de suas casas para as reuniões das células.


Discipulado e Evangelização


As células são excelentes para promover a comunhão e a edificação espiritual de seus participantes, como também para evangelizar os que estão separados de Deus e de Sua Igreja. Os sem igreja costumam ter mais simpatia por participar de uma reunião em uma casa do que em uma igreja. O ambiente aconchegante do lar e da célula favorecem a amizade e o entrosamento do visitante. Devemos convidar vizinhos, amigos e parentes para participarem das células. Devemos também acolher bem a todos os que visitam os cultos e programações da igreja. Eles merecem uma atenção especial de nossa parte para que se sintam amados e bem recebidos na igreja. Devemos facilitar a integração destes visitantes com os demais membros da igreja. Devemos fazer amizade com eles, ajudando-os a se enturmarem com outros membros da igreja. Devemos também aproveitar a oportunidade para convidá-los a participarem das células, observando que pessoas da mesma faixa etária tem mais facilidade de entrosamento.


O Perigo da Koinonite

Existe sempre o perigo da Koinonite, que é fazer da comunhão um fim em si mesma. Jesus conviveu por 3 anos com seus discípulos. E foi muito duro para eles quando Jesus disse que havia chegado o momento de partir. Os discípulos tornaram-se crentes maduros, e agora estavam aptos para formarem e liderarem novos grupos de cristãos. Tal separação foi vital para a multiplicação de novas células e igrejas. 

Formando e Multiplicando Líderes, Células e Igrejas

Não percamos jamais a visão missionária das células! Células saudáveis devem crescer, formar novos líderes e se multiplicarem. Líderes multiplicam líderes, células multiplicam células, e igrejas multiplicam igrejas. "Crescei e multiplicai-vos" (Gn 1.28 cf. Mt 28.18-20).



Estrutura Simples


Cada reunião das células deve possuir uma estrutura simples com duração de cerca de uma hora, composta por 3 blocos de aproximadamente de 20 minutos cada:

  1. O primeiro destina-se ao compartilhamento; (período em que as pessoas testemunham a respeito de seu desenvolvimento espiritual, vitórias, derrotas e desafios).
  2. O segundo ao estudo bíblico; (que deve ser baseado no sermão do domingo anterior. Não deve ser uma repetição do sermão e nem um palestra sobre o assunto. O dirigente deve atuar como um facilitador do debate em torno da mensagem. Deve ler o texto básico e apresentar um rápido resumo do que foi pregado, para depois ouvir o que as pessoas tem a dizer a respeito, levantando questões sobre como é que a mensagem tem afetado suas vidas. Ele não tem a obrigação de responder a questões difíceis. Estas devem ser encaminhadas aos pastores da igreja).
  3. E o terceiro e último é a oração. (Momento de carregarmos os fardos uns dos outros. Dependendo do tamanho do grupo, é aconselhável que haja uma divisão em grupos de 3 pessoas para que todos tenham tempo de compartilhar suas necessidades e orarem uns pelos outros).


Bispo José Ildo Swartele de Mello


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

"Tudo, porém, seja feito com decência e ordem" (I Co 14:40)

O Apóstolo Paulo exorta desta maneira a igreja de Corinto que precisava aprender que a ação do Espírito produz ordem e e decência, e não bagunça e confusão. A liberdade do Espírito não é incompatível com a ordem e a decência deste mesmo Espírito, pois "Deus não é Deus de desordem" (1Co 14.33). Portanto, toda desordem no culto não é de procedência divina. Sabedores disto, cabe aos pastores botarem ordem na casa, não permitindo que o culto seja enrolado e descontrolado. Assim como Paulo estabeleceu regras para o bom andamento do culto, devemos nós fazer o mesmo.

Alguns exemplos de coisas que devemos evitar em um culto:

O culto deve ser objetivo, enxuto, sem vãs repetições.

Cada participante deve possuir uma clara consciência da integridade do culto para não invadirmos a área do outro.

Um dirigente de culto e um líder de louvor não devem fazer comentários bíblicos prolongados, visto que já teremos um pregador…

Lições extraídas da história de Mefibosete

Áudio:
Vídeo:
Mefibosete from Ildo Swartele Mello on Vimeo.

Lições extraídas da história de Mefibosete Mefibosete nasceu num "berço de ouro" de um "palácio real", pois era neto do Rei Saul, filho do Príncipe Jônatas (2Sam 4.4). Entretanto, uma tragédia se abateu sobre sua vida quando ele tinha apenas 5 anos de idade. Israel foi derrotado em uma sangrenta batalha. A notícia da morte de Saul e de Jônatas chegaram até a casa real; então, a babá de Mefibosete, temendo que o menino também fosse morto, o toma em seus braços e foge correndo, mas, na pressa, acaba tropeçando e deixando o menino cair. Na queda, Mefibosete despedaça os pés e fica aleijado.

Agora, ele está órfão de pai e mãe. Perdeu a majestade, perdeu a saúde e vive escondido em um humilde povoado na casa de um bom homem chamado Maquir, que foi quem o amparou, adotando-o como filho.

Tais tragédias são frutos da rebeldia do Rei Saul, que plantou ventos e acabou colhendo tempestades devastadoras para a sua …

Qual o significado na Bíblia de Hora Sexta, Hora Nona e Primeira, Segunda. Terceira e Quarta Vigílias?

Dia Primeira hora - iniciava-se às 06 h
Terceira hora  - iniciava-se às 09 h
Sexta hora      - iniciava-se às 12 h
Nona hora      - iniciava-se às 15 h


Noite Primeira vigília - iniciava-se às 18 h
Segunda vigília - iniciava-se às 21 h
Terceira vigília  - iniciava-se às 00 h
Quarta vigília    - iniciava-se às 03 h