ROMANOS 9.20-21 NÃO É BASE PARA A DOUTRINA DA PREDESTINAÇÃO

Romanos 9.20-21 não pode ser usado para defender predestinação incondicional, pois refere-se a passagens do Antigo Testamento que ensinam exatamente o contrário (Jr 18.1-10 e Is 29.16). Tais textos mostram que esse vaso de barro, Israel, tem vontade própria, e, por isto mesmo, foi que acabou se quebrando na mão do oleiro. De outro modo, se estivesse totalmente sujeito ao controle das mãos do grande e perito Oleiro, este vaso jamais se quebraria. Mas, mesmo quebrado, ainda pode ser refeito assim como o ramo cortado pode ser enxertado novamente na Oliveira através do arrependimento e fé (Rm 11.23-32). Pois qualquer nação pode escapar do decreto de condenação de Deus se vier a se converter da sua perversidade: “Se em algum momento eu decretar que uma nação ou um reino seja arrancado, despedaçado e arruinado, e se essa nação que eu adverti converter-se da sua perversidade, então eu me arrependerei e não trarei sobre ela a desgraça que eu tinha planejado.” (Jr 18.6-7).

Confira:

“Mas quem é você, ó homem, para questionar a Deus? “Acaso aquilo que é formado pode dizer ao que o formou: ‘Por que me fizeste assim?’” O oleiro não tem direito de fazer do mesmo barro um vaso para fins nobres e outro para uso desonroso?” (Rm 9.20-21 NVI).

“Esta é a palavra que veio a Jeremias da parte do Senhor: “Vá à casa do oleiro, e ali você ouvirá a minha mensagem”. Então fui à casa do oleiro, e o vi trabalhando com a roda. Mas o vaso de barro que ele estava formando estragou-se em suas mãos; e ele o refez, moldando outro vaso de acordo com a sua vontade. Então o Senhor dirigiu-me a palavra: “Ó comunidade de Israel, será que eu não posso agir com vocês como fez o oleiro?”, pergunta o Senhor. “Como barro nas mãos do oleiro, assim são vocês nas minhas mãos, ó comunidade de Israel. Se em algum momento eu decretar que uma nação ou um reino seja arrancado, despedaçado e arruinado, e se essa nação que eu adverti converter-se da sua perversidade, então eu me arrependerei e não trarei sobre ela a desgraça que eu tinha planejado. E, se noutra ocasião eu decretar que uma nação ou um reino seja edificado e plantado, e se ele fizer o que eu reprovo e não me obedecer, então me arrependerei do bem que eu pretendia fazer em favor dele.” (Jr 18.1-10 NVI)

Paulo se refere a textos do Antigo Testamento em que Israel, como barro, estava agindo, deliberadamente, de modo perverso e arrogante, insurgindo-se contra o Oleiro: “Vocês viram as coisas pelo avesso! Como se fosse possível imaginar que o oleiro é igual ao barro! Acaso o objeto formado pode dizer àquele que o formou: “Ele não me fez”? E o vaso poderá dizer do oleiro: “Ele nada sabe”? (Is 29.16 NVI).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

A Igreja passa pela Grande Tribulação?

Lições extraídas da história de Mefibosete