Pular para o conteúdo principal

O Parecer dos Bispos Metodistas Livres sobre o G12




















G-12 e outros movimentos

O Concílio dos Bispos da Igreja Metodista Livre, reunido em Butuan, Filipinas, 8-10 de outubro de 2009, em resposta às indagações sobre o movimento G-12, apresenta a seguinte declaração:

O Concílio dos Bispos reconhece que muitos movimentos contemporâneos, incluindo o G-12, têm práticas que, aparentemente, contribuem para a evangelização do mundo. Sempre que tais práticas não são contrárias à doutrina Metodista Livre, as igrejas locais podem fazer uso delas para ajudá-las a alcançar o mundo para Cristo. Ao mesmo tempo, no entanto, reconhecemos que estes movimentos, muitas vezes, incluem elementos que são questionáveis e até mesmo incompatíveis com a nossa doutrina e sistema de governo.

Lembramos a igreja que as Escrituras nos chamam para:

             -sermos discípulos zelosos de Cristo que fazem discípulos (Mateus 28:19, Lucas 9:23-25); 

             -Nos unirmos com outros para estimularmos uns aos outros ao amor e às boas obras (Hebreus 10:24); 

             -sermos cheios do Espírito Santo, produzindo os frutos do Espírito e servindo no poder do Espírito (Efésios 5:18, Gálatas 5:22-23); 

             -relacionarmos uns com os outros em humildade e mansidão, através da prática da mútua submissão(Efésios 4:2, Romanos 12:10), e; 

             -exercitarmos os dons do Espírito para o cumprimento da missão de Cristo, convidando as pessoas à fé e promovendo a edificação do corpo de Cristo (Efésios 4:11-13). Cientes de que os dons e as manifestações do Espírito não são garantia de bom caráter e nem de autoridade espiritual (Mt 7.15-23).



Não recomendamos a aceitação dos ensinamentos de qualquer movimento em sua totalidade. Pelo contrário, todas as práticas e iniciativas ministeriais devem ser avaliadas pelo ensino claro das Escrituras, que nos instruem a "Examinar tudo e reter apenas o que é bom" (I Tessalonicenses 5:21).


Bispo José Ildo Swartele de Mello
Presidente do Concílio de Bispos da Igreja Metodista Livre


Algumas fotos do Concílio de Bispos na Filipinashttp://www.facebook.com/album.php?aid=42803&id=1178532609&l=eaa2fc7d99


Segue abaixo o texto original em inglês:


G-12 & other Movements


The Council of Bishops of the Free Methodist Church, meeting in Butuan City, the Philippines, October 8-10, 2009, in response to inquiries about the G-12 movement, issues the following statement:

The Council of Bishops recognizes that many contemporary movements, including G-12, have practices that apparently contribute to the evangelization of the world. Where such practices are not contrary to Free Methodist doctrine, local churches may implement them to help them reach the world for Christ. At the same time, however, we recognize that these movements often include elements which are questionable and even incompatible with our doctrine and polity.

We remind the church that the Scriptures call us to:
            -be earnest disciples who make disciples (Matthew 28:19, Luke 9:23-25);
 
           
-join with others to stimulate one another to love and good deeds (Hebrews 10:24);
 
           -be filled with the Holy Spirit, bearing the fruit of the Spirit and serving in the power of the 
Spirit (Ephesians 5:18, Galatians 5:22-23);
 
           -relate to one another in humility and gentleness, practicing mutual submission (Ephesians 4:2, Romans 12:10), and;
 
           -exercise the gifts of the Spirit to carry out the mission of Christ, inviting people to faith and building up the body of Christ (Ephesians 4:11-13). The gifts and manifestations of the Spirit do not  guarantee one’s spiritual authority or character.

We counsel against the acceptance of any movement’s teachings in their totality. Rather, all practices and ministry initiatives should be evaluated by the clear teaching of Scripture, which instructs us to, “Test everything. Hold on to the good.“ (I Thessalonians 5:21).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

"Tudo, porém, seja feito com decência e ordem" (I Co 14:40)

O Apóstolo Paulo exorta desta maneira a igreja de Corinto que precisava aprender que a ação do Espírito produz ordem e e decência, e não bagunça e confusão. A liberdade do Espírito não é incompatível com a ordem e a decência deste mesmo Espírito, pois "Deus não é Deus de desordem" (1Co 14.33). Portanto, toda desordem no culto não é de procedência divina. Sabedores disto, cabe aos pastores botarem ordem na casa, não permitindo que o culto seja enrolado e descontrolado. Assim como Paulo estabeleceu regras para o bom andamento do culto, devemos nós fazer o mesmo.

Alguns exemplos de coisas que devemos evitar em um culto:

O culto deve ser objetivo, enxuto, sem vãs repetições.

Cada participante deve possuir uma clara consciência da integridade do culto para não invadirmos a área do outro.

Um dirigente de culto e um líder de louvor não devem fazer comentários bíblicos prolongados, visto que já teremos um pregador…

Lições extraídas da história de Mefibosete

Áudio:
Vídeo:
Mefibosete from Ildo Swartele Mello on Vimeo.

Lições extraídas da história de Mefibosete Mefibosete nasceu num "berço de ouro" de um "palácio real", pois era neto do Rei Saul, filho do Príncipe Jônatas (2Sam 4.4). Entretanto, uma tragédia se abateu sobre sua vida quando ele tinha apenas 5 anos de idade. Israel foi derrotado em uma sangrenta batalha. A notícia da morte de Saul e de Jônatas chegaram até a casa real; então, a babá de Mefibosete, temendo que o menino também fosse morto, o toma em seus braços e foge correndo, mas, na pressa, acaba tropeçando e deixando o menino cair. Na queda, Mefibosete despedaça os pés e fica aleijado.

Agora, ele está órfão de pai e mãe. Perdeu a majestade, perdeu a saúde e vive escondido em um humilde povoado na casa de um bom homem chamado Maquir, que foi quem o amparou, adotando-o como filho.

Tais tragédias são frutos da rebeldia do Rei Saul, que plantou ventos e acabou colhendo tempestades devastadoras para a sua …

A Igreja passa pela Grande Tribulação?

IntroduçãoOs pré-tribulacionistas afirmam que Deus não permitirá que a Igreja sofra no período da Grande Tribulação. Mas, não existe nenhum versículo bíblico que ensine que a Igreja não passará pela Grande Tribulação e nada existe também na Bíblia sobre uma Segunda Vinda de Cristo em duas fases ou etapas, separadas por sete anos de Grande Tribulação, e também não há nada sobre um arrebatamento “secreto”, pois não há nada de secreto e silencioso nos relatos que descrevem o arrebatamento da Igreja (1Ts 4.16-17; Mt 24.31). 
Outra incongruência deste ponto de vista é a ideia de um arrebatamento para tirar a Igreja e o Espírito Santo da Terra antes da manifestação do Anticristo. Se este fosse o caso, o Anticristo seria anti o quê? Anticristos são falsos profetas que já atuavam no mundo nos tempos mais primitivos da Igreja. Não devemos confundir Anticristo com a Besta ou Bestas Apocalípticas. Todas as menções ao(s) Anticristo(s) aparecem nas epístolas joaninas e dizem respeito aos hereges o…