Pular para o conteúdo principal

De volta pro meu aconchego!

Baseado na Parábola do Filho Pródigo em Lucas 15


Gosto da música que diz "estou de volta pro meu aconchego", pois expressa toda sensação de alívio, conforto, amparo e felicidade que se costuma encontrar no retorno ao lar. Entendo que o Filho Pródigo também deve ter experimentado está mesma sensação de alívio e amparo naquele aconchegante abraço que ele recebeu de seu Pai. Ele havia passado muito tempo longe de casa. Iludido pelo fascínio do novo e do distante, acabou desprezando o velho e bom convívio do lar, e, virando as costas para o pai, partiu em busca da satisfação tresloucada dos desejos carnais. Deu muitas cabeçadas na vida e acabou quebrando a cara, experimentando, assim, muita dor e desapontamento.

Abandonado e desprezado por todos, num estado de ruína e humilhação, teve fome. Sua fome era mais do que uma fome de pão, pois estava também com fome de felicidade, com fome de paz, com fome de vida, com fome do aconchego do lar. Ele teve saudades de casa. Saudades do Pai! Ele caiu em si. Reconheceu o seu erro e quis voltar. 

Mas, ele nem podia imaginar que, depois de tudo, o Pai ainda o estaria esperando de braços abertos e que, ao vê-lo chegando, sairia correndo ao seu encontro e lhe receberia com tanto amor e alegria dando-lhe aquele abraço e aquele beijo tão especialmente carinhoso, perdoador e sanador. Ele deve ter pensado como é que ele pode ter desprezado assim a um Pai tão maravilhoso. Mas, agora, ele estava de volta! Que alívio! Que aconchego! Uma festa, roupas novas, anel no dedo, sandalhas nos pés, tudo restituído ainda que nada merecesse! Como é bom ser amado e que bom é quando a gente se encontra com a pessoa amada! Que bom é estar onde se deve estar!

Esta parábola de Jesus fala do amor do Pai por suas criaturas. Jesus veio buscar e salvar os filhos que estão perdidos. Jesus chegou a usar a figura da galinha que ampara os seus pintinhos debaixo da suas asas para expressar o aconchego que ele gostaria de proporcionar a todas as suas criaturas. Ele lamenta o fato delas, por vezes, o rejeitarem. Mas, mesmo assim, ele não as força a permanecer em casa, pois as ama de mais a ponto de não querer vê-las contrariadas, ainda que tivesse poder para tanto. 

É interessante notar que Jesus veio a nós na condição humilde de homem pobre e sofredor. Ele é um Rei diferente, um Rei que não quer se impor pela força e que entra em Jerusalém montado em um jumentinho procurando conquistar adeptos pela via do amor e pelo caminho da cruz. 

Na cruz, ele está de braços abertos a nos buscar. Na cruz encontramos perdão, aceitação, restauração e aconchego. Creio também que cada um de nós, seres humanos criados a imagem e semelhança de Deus, criados por Jesus e para Jesus, de alguma maneira que eu não sei bem explicar, sente saudade do Criador; saudade esta, que se revela na sensação de vazio e de desconforto oriunda do seu estado de alienação e distância de Deus. Temos uma vocação para Deus, um elo com o Eterno, de modo que as coisas efêmeras desta vida não podem nos dar aquilo que só podemos encontrar em nosso Criador: a paz e a felicidade que excedem a todo o entendimento humano a guardar a nossa mente e o nosso coração, ou seja: o absoluto aconchego do abraço do Pai!

Jesus disse que suas ovelhas seriam capazes de reconhecer a sua voz. Há um testificar do Espírito de Deus com o nosso espírito, coisa que nós não sabemos explicar direito. O filho voltou ao lar e teve um reencontro com Deus. Assim também acontece conosco, mesmo que estejamos conhecendo a Cristo pela primeira vez, sentimos como se já o conhecêssemos há muito tempo. Sua voz não nos é tão estranha assim! Existe uma comunicação íntima, profunda e espiritual que nos assegura que estamos em território conhecido. Podemos experimentar, então, o aconchego do retorno ao lar.

Bispo José Ildo Swartele de Mello

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

"Tudo, porém, seja feito com decência e ordem" (I Co 14:40)

O Apóstolo Paulo exorta desta maneira a igreja de Corinto que precisava aprender que a ação do Espírito produz ordem e e decência, e não bagunça e confusão. A liberdade do Espírito não é incompatível com a ordem e a decência deste mesmo Espírito, pois "Deus não é Deus de desordem" (1Co 14.33). Portanto, toda desordem no culto não é de procedência divina. Sabedores disto, cabe aos pastores botarem ordem na casa, não permitindo que o culto seja enrolado e descontrolado. Assim como Paulo estabeleceu regras para o bom andamento do culto, devemos nós fazer o mesmo.

Alguns exemplos de coisas que devemos evitar em um culto:

O culto deve ser objetivo, enxuto, sem vãs repetições.

Cada participante deve possuir uma clara consciência da integridade do culto para não invadirmos a área do outro.

Um dirigente de culto e um líder de louvor não devem fazer comentários bíblicos prolongados, visto que já teremos um pregador…

Lições extraídas da história de Mefibosete

Áudio:
Vídeo:
Mefibosete from Ildo Swartele Mello on Vimeo.

Lições extraídas da história de Mefibosete Mefibosete nasceu num "berço de ouro" de um "palácio real", pois era neto do Rei Saul, filho do Príncipe Jônatas (2Sam 4.4). Entretanto, uma tragédia se abateu sobre sua vida quando ele tinha apenas 5 anos de idade. Israel foi derrotado em uma sangrenta batalha. A notícia da morte de Saul e de Jônatas chegaram até a casa real; então, a babá de Mefibosete, temendo que o menino também fosse morto, o toma em seus braços e foge correndo, mas, na pressa, acaba tropeçando e deixando o menino cair. Na queda, Mefibosete despedaça os pés e fica aleijado.

Agora, ele está órfão de pai e mãe. Perdeu a majestade, perdeu a saúde e vive escondido em um humilde povoado na casa de um bom homem chamado Maquir, que foi quem o amparou, adotando-o como filho.

Tais tragédias são frutos da rebeldia do Rei Saul, que plantou ventos e acabou colhendo tempestades devastadoras para a sua …

A Igreja passa pela Grande Tribulação?

IntroduçãoOs pré-tribulacionistas afirmam que Deus não permitirá que a Igreja sofra no período da Grande Tribulação. Mas, não existe nenhum versículo bíblico que ensine que a Igreja não passará pela Grande Tribulação e nada existe também na Bíblia sobre uma Segunda Vinda de Cristo em duas fases ou etapas, separadas por sete anos de Grande Tribulação, e também não há nada sobre um arrebatamento “secreto”, pois não há nada de secreto e silencioso nos relatos que descrevem o arrebatamento da Igreja (1Ts 4.16-17; Mt 24.31). 
Outra incongruência deste ponto de vista é a ideia de um arrebatamento para tirar a Igreja e o Espírito Santo da Terra antes da manifestação do Anticristo. Se este fosse o caso, o Anticristo seria anti o quê? Anticristos são falsos profetas que já atuavam no mundo nos tempos mais primitivos da Igreja. Não devemos confundir Anticristo com a Besta ou Bestas Apocalípticas. Todas as menções ao(s) Anticristo(s) aparecem nas epístolas joaninas e dizem respeito aos hereges o…