Pular para o conteúdo principal

A natureza espiritual do Reino de Deus na era presente

A expectativa dos judeus era da vinda de um Messias que restaurasse o reino político da nação de Israel. Jesus não cumpriu tal expectativa. Pelo contrário, ele declarou a Pilatos: “meu reino não é deste mundo” (Jo 18:36), e também disse aos seus discípulos que: “Não vem o reino de Deus com visível aparência. Nem dirão: Ei-lo aqui! Ou:Lá está! Porque o reino de Deus está dentro de vós” (Lc 17:20). “O Reino de Deus não é comida, nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo” (Rm 14:17). O Reino de Deus foi o tema central de Jesus, até mesmo após sua ressurreição, o que se fez necessário para esclarecer sua natureza não aparente (At 1:3). Pois, se por um lado, “todas as coisas sujeitaste debaixo dos seus pés. Ora, desde que lhe sujeitou todas as coisas, nada deixou fora do seu domínio. Agora, porém, ainda não vemos todas as coisas a ele sujeitas” (Hb 2.8).

Jesus se apresentou como um rei humilde e manso (Lc 19 e Zc 9:9); Inaugurando um reino que não se estabelece por força, nem por violência, mas pelo Espírito de Deus (Zc 4:6). “Se, porém, eu expulso os demônios pelo dedo de Deus, certamente, é chegado o reino de Deus sobre vós” (Lc 11:20). Jesus veio para desfazer as obras do diabo (1Jo 3.8). Ele amarrou Satanás para que este não mais continuasse a enganar as nações como vinha fazendo até então, de modo que as portas do inferno não poderão prevalecer contra a Igreja (Lc 10.18; Ap 20:2,3; Mt 12.29; Jd 1.6; 2Pe 2.4; Jo 12.31,32; Mt 16.18). A Igreja será bem sucedida em sua missão de fazer discípulos de todas as nações (Ap 5.9; 7.9; Mt 16.18). Na cruz, Jesus triunfou sobre os principados e potestades (Cl 2:15), tornando-se Cabeça de toda autoridade. Ele reina! (Cl 2:10). Seu trono está nos céus, onde está assentado a direita de Deus Pai “nos lugares celestiais, acima de todo principado, e potestade, e poder, e domínio, e de todo nome que se possa referir, não só no presente século, mas também no vindouro. E pôs todas as coisas debaixo dos pés, e para ser o cabeça sobre todas as coisas, o deu à igreja, a qual é o seu corpo, a plenitude daquele que a tudo enche em todas as coisas (Ef 1:20-22), e “nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus” (Ef 2:6). Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o Reino do Filho do Seu amor (Cl 1:13) e nos constituiu reino (Ap 1:4), e nos deu as chaves do Reino (Mt 16.9) e autoridade para “para pisardes serpentes e escorpiões e sobre todo o poder do inimigo” (Lc 10.19). Em Cristo, já somos mais do que vencedores (Rm 8.37). Na era presente, “convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. O último inimigo a ser destruído é a morte” (1Co 15:25-26). A morte, o último inimigo, será destruída por ocasião da segunda vinda de Cristo, quando o reino se manifestará de forma aparente e plena na Nova Jerusalém celestial (Mt 25:1–13; Lc 12:35–48; 19:11–27 e Ap 21 e 22).

O reino é descrito em termos de parábolas que mostram um começo modesto como um grão de mostarda em processo de crescimento mas que tem que enfrentar a ação do inimigo e conviver com joio (Mt 13; Mc 4:26–29; 4:30–32; Lc 13:18–19, 20–21). Não é facilmente identificado, mas, os que o descobrem, encontram grande alegria (Mt 13:44, 45–46). Deus convida as pessoas para o Reino (1 Ts 2:12 e Mt 22). Devemos partilhar as boas novas do Reino (At 28:31). Nenhum imoral entrará no Reino (Ef 5:5). É necessário fé e arrependimento para entrar no Reino de Deus (Mt 3:1–2). Só os nascidos de novo entrarão no Reino (Jo 3:3). O Sermão do Monte descreve as qualidades dos cidadãos do Reino (Mt 5:1–19). A vida cristã deve refletir os valores do Reino (1 Ts 2:12). Devemos viver de modo digno deste Evangelho do Reino, cumprindo nossa missão de ser sal da terra e luz do mundo até que venha o grande Dia do Senhor.

Bispo Ildo Mello

Para saber mais, assista a seguinte palestra: 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

"Tudo, porém, seja feito com decência e ordem" (I Co 14:40)

O Apóstolo Paulo exorta desta maneira a igreja de Corinto que precisava aprender que a ação do Espírito produz ordem e e decência, e não bagunça e confusão. A liberdade do Espírito não é incompatível com a ordem e a decência deste mesmo Espírito, pois "Deus não é Deus de desordem" (1Co 14.33). Portanto, toda desordem no culto não é de procedência divina. Sabedores disto, cabe aos pastores botarem ordem na casa, não permitindo que o culto seja enrolado e descontrolado. Assim como Paulo estabeleceu regras para o bom andamento do culto, devemos nós fazer o mesmo.

Alguns exemplos de coisas que devemos evitar em um culto:

O culto deve ser objetivo, enxuto, sem vãs repetições.

Cada participante deve possuir uma clara consciência da integridade do culto para não invadirmos a área do outro.

Um dirigente de culto e um líder de louvor não devem fazer comentários bíblicos prolongados, visto que já teremos um pregador…

Lições extraídas da história de Mefibosete

Áudio:
Vídeo:
Mefibosete from Ildo Swartele Mello on Vimeo.

Lições extraídas da história de Mefibosete Mefibosete nasceu num "berço de ouro" de um "palácio real", pois era neto do Rei Saul, filho do Príncipe Jônatas (2Sam 4.4). Entretanto, uma tragédia se abateu sobre sua vida quando ele tinha apenas 5 anos de idade. Israel foi derrotado em uma sangrenta batalha. A notícia da morte de Saul e de Jônatas chegaram até a casa real; então, a babá de Mefibosete, temendo que o menino também fosse morto, o toma em seus braços e foge correndo, mas, na pressa, acaba tropeçando e deixando o menino cair. Na queda, Mefibosete despedaça os pés e fica aleijado.

Agora, ele está órfão de pai e mãe. Perdeu a majestade, perdeu a saúde e vive escondido em um humilde povoado na casa de um bom homem chamado Maquir, que foi quem o amparou, adotando-o como filho.

Tais tragédias são frutos da rebeldia do Rei Saul, que plantou ventos e acabou colhendo tempestades devastadoras para a sua …

A Igreja passa pela Grande Tribulação?

IntroduçãoOs pré-tribulacionistas afirmam que Deus não permitirá que a Igreja sofra no período da Grande Tribulação. Mas, não existe nenhum versículo bíblico que ensine que a Igreja não passará pela Grande Tribulação e nada existe também na Bíblia sobre uma Segunda Vinda de Cristo em duas fases ou etapas, separadas por sete anos de Grande Tribulação, e também não há nada sobre um arrebatamento “secreto”, pois não há nada de secreto e silencioso nos relatos que descrevem o arrebatamento da Igreja (1Ts 4.16-17; Mt 24.31). 
Outra incongruência deste ponto de vista é a ideia de um arrebatamento para tirar a Igreja e o Espírito Santo da Terra antes da manifestação do Anticristo. Se este fosse o caso, o Anticristo seria anti o quê? Anticristos são falsos profetas que já atuavam no mundo nos tempos mais primitivos da Igreja. Não devemos confundir Anticristo com a Besta ou Bestas Apocalípticas. Todas as menções ao(s) Anticristo(s) aparecem nas epístolas joaninas e dizem respeito aos hereges o…