A falaciosa distinção entre "logos" e "rhema"


Cuidado com as invencionices dos hereges que deturpam a palavra de Deus para confundirem os seguidores de Cristo. Não caia na armadilha daqueles que ensinam haver duas espécies de palavra de Deus, baseados em uma forçada e ilusória distinção entre os termos gregos "logos" e "rhema" que significam "palavra". Eles dizem que "logos" é usado para designar a palavra genérica e objetiva de Deus para todos os homens enquanto que "rhema" seria uma palavra mais subjetiva comunicada pelo Espírito para um indivíduo em particular que, no caso, deve apropiar-se dela como sua, reivindicando, exigindo e chegando mesmo ao ponto de dar ordens para Deus, usando "rhema" como uma varinha de condão que sujeita Deus aos nossos caprichos, como o gênio da lâmpada o era a Aladim. Um disparate que não condiz com o ensino bíblico, mas que tem muito a ver com neurolinguística, estendendo suas raízes até o gnosticismo antigo combatido pelos apóstolos, e que subsiste hoje em dia nas heresias da seita ciência cristã e, mais recentemente, no movimento de confissão positiva com sua teologia da prosperidade. Por conta disto, nota-se também o surgimento de mais e mais cristãos que passam a menosprezar o "logos" de Deus em busca da palavra "rhema", supostamente mais viva e poderosa.

No entanto, os termos gregos "logos" e "rhema" são utilizados indiscriminadamente no Novo Testamento quando fazem referencia a "palavra" de Deus. Um claro exemplo disto, encontramos na Primeira Epístola de Pedro, quando ele usa os termos "logos" e "rhema" de modo indistinto para designar a palavra de Deus: "Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra (logos) de Deus, viva, e que permanece para sempre. Porque Toda a carne é como a erva, E toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor; Mas a palavra (rhema) do Senhor permanece para sempre (1 Pe 1:23-25). 

Portanto, qualquer tentativa de separar a Palavra de Deus em duas categorias é artificial, fantasiosa e produz heresias. "Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração  (Hb 4:12). A palavra de Deus, ou seja, toda a palavra de Deus é viva e eficaz e não uma em especial, como Jesus ressaltou: "Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus (Mt 4:4). 



Bispo Ildo Mello

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

A Igreja passa pela Grande Tribulação?

Lições extraídas da história de Mefibosete