Pular para o conteúdo principal

O contraste entre a Prostituta e o Fariseu - Lc 7

A prostituta e o fariseu from Ildo Mello on Vimeo.

A Prostituta e o Fariseu

Houve uma ocasião quando um fariseu convidou Jesus para um jantar. O que era de se estranhar, pois os fariseus viviam encrencando com Jesus. Teria sido aquela uma atitude excepcionalmente simpática de um fariseu em relação a Jesus ou não passaria de mais uma das inúmeras ciladas com intuito de desmoralizá-lo?

Aparentemente, Jesus estava sendo tratado como um grande mestre vindo fora, pois um banquete público havia sido preparado, onde convidados especiais se reclinariam à mesa e a maioria da vizinhança ficaria ao redor para assistir aos debates entre o mestre visitante e os mestres locais. Mas, espantosamente, o anfitrião negligenciou as honrarias da casa ao ilustre convidado. Receber com um beijo, providenciar água para a lavagem dos pés e ungir a cabeça com óleo eram a maneira correta de dar as boas vindas na cultura daquela época. A negligência do fariseu era proposital com intuito de envergonhar e desmoralizar a pessoa de Jesus.

Jesus não reagiu com grosseria. Aceitou pacificamente aquela humilhação. Enquanto isto, uma mulher, indignada com o desprezo demonstrado a Jesus, se aproxima dele, e, agindo como se fosse uma serva daquela casa, passa a lavar os pés de Jesus com suas lágrimas e a enxugá-los com seus cabelos. Ela também beija os seus pés e derrama sobre eles um vidro precioso de perfume. O fariseu, malicioso, julga que Jesus não possuía discernimento espiritual para constatar que a mulher não passava de uma prostituta. No entanto, Jesus aproveita a oportunidade para não apenas revelar seu discernimento em relação a condição da mulher como também em relação ao que se passava na mente e no coração do próprio fariseu. Com uma breve parábola, Jesus aponta para os motivos por detrás do pecado de omissão do fariseu, de ter feito pouco caso de Cristo, que tinham a ver com a falta de gratidão e a falta de amor, por não reconhecer sua condição de pecador que carecia igualmente do misericordioso perdão do Salvador.

O fariseu chama a mulher de pecadora, pois ele não se julgava pecador. Ele achava que não fazia nada de muito errado e que portanto não carecia tanto assim de perdão e misericórdia. Já a mulher se via como pecadora e estava muito agradecida a Cristo pelo perdão e nova oportunidade de vida que lhe fora por ele oferecidos.

Os atos daquela mulher revelam o seu grande amor. A omissão daquele homem revela o seu desprezo. E nesta história, com quem é que nós mais nos identificamos? Estamos cônscios dos nossos pecados e nos sentimos eternamente gratos a Jesus por seu perdão que transborda da cruz? O que é que revelam as nossas ações em relação a Cristo? Muito amor e gratidão ou pouco amor e até mesmo descaso?

Bispo José Ildo Swartele de Mello
www.metodistalivre.org.br
www.imeldemirandopolis.blogspot.com
www.escatologiacrista.blogspot.com
http://www.scribd.com/ildomello
http://twitter.com/ildomello

Comentários

  1. Paz,

    Parabéns, pelo seu trabalho neste blog. Que Deus em Cristo Jesus continue lhe abençoando poderosamente.

    Estou seguindo o vosso blog.

    Aproveito pra lhe convidar a visitar meu blog também. Avivamento pela Palavra é um blog voltado aos amantes da Bíblia sagrada como Verdade Absoluta e que só através Dela seremos mais crentes e mais cheios do Espirito Santo. Comente, pois seus comentários são muito importante para mim poder estar sempre em melhorias no meu blog.

    http://www.alexandrepitante.blogspot.com/

    Siga-nos também.

    Fica com Deus.
    Abraço em Cristo, Alexandre Pitante.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

"Tudo, porém, seja feito com decência e ordem" (I Co 14:40)

O Apóstolo Paulo exorta desta maneira a igreja de Corinto que precisava aprender que a ação do Espírito produz ordem e e decência, e não bagunça e confusão. A liberdade do Espírito não é incompatível com a ordem e a decência deste mesmo Espírito, pois "Deus não é Deus de desordem" (1Co 14.33). Portanto, toda desordem no culto não é de procedência divina. Sabedores disto, cabe aos pastores botarem ordem na casa, não permitindo que o culto seja enrolado e descontrolado. Assim como Paulo estabeleceu regras para o bom andamento do culto, devemos nós fazer o mesmo.

Alguns exemplos de coisas que devemos evitar em um culto:

O culto deve ser objetivo, enxuto, sem vãs repetições.

Cada participante deve possuir uma clara consciência da integridade do culto para não invadirmos a área do outro.

Um dirigente de culto e um líder de louvor não devem fazer comentários bíblicos prolongados, visto que já teremos um pregador…

Lições extraídas da história de Mefibosete

Áudio:
Vídeo:
Mefibosete from Ildo Swartele Mello on Vimeo.

Lições extraídas da história de Mefibosete Mefibosete nasceu num "berço de ouro" de um "palácio real", pois era neto do Rei Saul, filho do Príncipe Jônatas (2Sam 4.4). Entretanto, uma tragédia se abateu sobre sua vida quando ele tinha apenas 5 anos de idade. Israel foi derrotado em uma sangrenta batalha. A notícia da morte de Saul e de Jônatas chegaram até a casa real; então, a babá de Mefibosete, temendo que o menino também fosse morto, o toma em seus braços e foge correndo, mas, na pressa, acaba tropeçando e deixando o menino cair. Na queda, Mefibosete despedaça os pés e fica aleijado.

Agora, ele está órfão de pai e mãe. Perdeu a majestade, perdeu a saúde e vive escondido em um humilde povoado na casa de um bom homem chamado Maquir, que foi quem o amparou, adotando-o como filho.

Tais tragédias são frutos da rebeldia do Rei Saul, que plantou ventos e acabou colhendo tempestades devastadoras para a sua …

Qual o significado na Bíblia de Hora Sexta, Hora Nona e Primeira, Segunda. Terceira e Quarta Vigílias?

Dia Primeira hora - iniciava-se às 06 h
Terceira hora  - iniciava-se às 09 h
Sexta hora      - iniciava-se às 12 h
Nona hora      - iniciava-se às 15 h


Noite Primeira vigília - iniciava-se às 18 h
Segunda vigília - iniciava-se às 21 h
Terceira vigília  - iniciava-se às 00 h
Quarta vigília    - iniciava-se às 03 h