terça-feira, 9 de dezembro de 2014

O risco da apostasia

Introdução

Uma vez salvo, salvo para sempre? O salvo certamente perseverará ou deve perseverar na fé para alcançar definitivamente a salvação? Se um verdadeiro cristão não corresse o risco de abandonar o Caminho, por que é que haveria uma série de advertências sobre o perigo da apostasia?

A salvação está em Cristo. Abraçamos a Salvação quando cremos nEle, desenvolvemos a salvação enquanto permanecemos e vivemos em Cristo e, finalmente, alcançaremos a salvação quando chegarmos ao céu. Portanto, é necessário permanecer em Cristo, combater o bom combate, completar a carreira e guardar a fé (2Tm 4.7). Cônscio disto foi que o Apóstolo Paulo fez a seguinte declaração: “. . . mas esmurro o meu corpo, e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser reprovado. . . ” (1Co 9:27). No capítulo seguinte, ele diz que a incredulidade do povo de Israel no deserto, a idolatria e os pecados morais que os israelitas cometeram, acabaram atraindo o juízo de Deus, de modo que a maioria dos israelitas foram reprovados e ficaram prostrados no deserto (1Co 10:1-5). Paulo adverte que essas coisas servem de exemplo para nós que fazemos parte da Igreja (1Co 10.6). E adverte:  “Essas coisas lhes sobrevieram como exemplos, e foram escritas para advertência nossa. . .” e “Aquele, pois, que pensa estar em pé, cuide para que não caia” (1Co 10:12). E conclui com a seguinte exortação: “Amados, fugi da idolatria” (1Co 10:14), deixando clara a sua preocupação de que a Igreja de Corinto agisse tal como os israelitas e, conseqüentemente, fosse reprovada. 

Na carta aos Romanos, Paulo diz que os cristãos já morreram para o pecado (6.2) e, libertos do pecado, se tornaram escravos da justiça (Rm 6.18). No entanto, Paulo os adverte quanto ao risco de retornarem ao domínio do pecado: "Portanto, não permitam que o pecado continue dominando os seus corpos mortais, fazendo que vocês obedeçam aos seus desejos. Não ofereçam os membros dos seus corpos ao pecado, como instrumentos de injustiça; antes ofereçam-se a Deus como quem voltou da morte para a vida; e ofereçam os membros dos seus corpos a ele, como instrumentos de justiça." (Rm 6:12-13). Tal advertência seria desnecessária se não existisse o perigo de um escravo da justiça que já morreu para o pecado não pudesse de fato voltar a oferecer os membro do corpo ao pecado como instrumentos de injustiça. Paulo concluí esta questão dizendo que a vida de santidade como fruto do Espírito é que nos dará a posse definitiva da vida eterna: "Mas agora que vocês foram libertados do pecado e se tornaram escravos de Deus, o fruto que colhem leva à santidade, e o seu fim é a vida eterna".


Quando Paulo discorre sobre como a salvação se processa na vida dos indivíduos, ele sempre diz que se dá por intermédio da fé (Rm 9.30-31 cp. Rm 10.11-17). Ele deixa claro que os ramos naturais, que foram cortados por sua incredulidade, podem voltar a ser enxertados se vierem a crer, e os que, atualmente, creem podem vir a ser cortados se derem lugar a incredulidade (Rm 11.20-24). O que reforça a tese de que não existem indivíduos definitivamente eleitos para salvação, a não ser da perspectiva da presciência divina (Rm 8.29). A eleição individual está condicionada a fé em Cristo. Embora, Deus conheça os indivíduos que farão definitivamente parte do povo escolhido, estes tais, também denominados de escolhidos, ou predestinados segundo a presciência de Deus, não são assim denominados devido a uma eleição incondicional, mas porque acolheram com fé o Evangelho.

A expressão: “Deus nos escolheu em Cristo” (Ef 1.3a) diz respeito a eleição corporativa da Igreja em Cristo. A Igreja foi escolhida em Cristo antes mesmo da fundação do mundo. A Igreja estava inclusa na escolha de Abraão: “Em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gn 12.3). A promessa foi feita a Abraão e ao seu descendente que é Cristo, O Eleito por excelência, do qual toda a eleição é derivada e dependente. Os da fé é que são verdadeiramente filhos de Abraão. Cristo é o Messias de Israel, os que são de Cristo pertencem ao verdadeiro Israel.

Portanto, a eleição de indivíduos para a salvação está condicionada a sua associação e permanência no Corpo Eleito de Cristo que é a Igreja. Deus conhece os que irão crer e perseverar em sua fé. Neste pré-conhecimento é que se baseia a predestinação individual. Em Romanos 9, é dito que Deus endurece os homens, mas nunca que Ele os predestinou deste a eternidade para a dureza de coração, e nem também que tal endurecimento é total e definitivo, pois Paulo disse: “veio o endurecimento em parte a Israel, até que…” (Rm 11.25); É dito também que Deus tem o direito de fazer vasos de ira, mas jamais que Ele predestinou pessoas para serem vasos de ira, pois, como já dissemos anteriormente, por vasos de ira, Paulo se refere aos judeus incrédulos, que, segundo ele mesmo afirmou, podem vir a se converter em vasos de honra, abandonando a incredulidade e abraçando a fé (Rm 11.23).

Para Paulo, a fé é que ocupa o papel determinante na salvação ou perdição dos indivíduos: “Bem! Pela sua incredulidade, foram quebrados; tu, porém, mediante a fé, estás firme. Não te ensoberbeças, mas teme. Porque, se Deus não poupou os ramos naturais, também não te poupará. Considerai, pois, a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; mas, para contigo, a bondade de Deus, se nela permaneceres; doutra sorte, também tu serás cortado. Eles também, se não permanecerem na incredulidade, serão enxertados; pois Deus é poderoso para os enxertar de novo” (Rm 11.20-23).

O destino da Igreja é certo, pois sabemos que “as portas do inferno não prevalecerão contra a ela” (Mt 16.18), e seu futuro glorioso também já foi contemplado na visão Apocalíptica de João (Ap 7.9-17; 14.1-5), e Paulo diz que ela será apresentada diante de Cristo, “como igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou coisa semelhante, mas santa e inculpável” (Ef 5.27); mas o destino dos indivíduos não está definido, pois aos membros da Igreja, Paulo exorta: “Mas agora ele os reconciliou pelo corpo físico de Cristo, mediante a morte, para apresentá-los diante dele santos, inculpáveis e livres de qualquer acusação, desde que continuem alicerçados e firmes na fé, sem se afastarem da esperança do evangelho, que vocês ouviram e que tem sido proclamado a todos os que estão debaixo do céu. Esse é o evangelho do qual eu, Paulo, me tornei ministro” (Cl 1.22-23). Enquanto é garantido que a Igreja será apresentada santa e inculpável diante de Deus, os membros precisam continuar alicerçados e firmes, sem se afastarem da esperança do evangelho, para poderem garantir sua participação no destino glorioso da Igreja.

Apostasia no Antigo Testamento:

A crença: "uma vez salvo, salvo para sempre" não encontra apoio algum no Antigo Testamento. 
  • "Prestem atenção! Hoje estou pondo diante de vocês a bênção e a maldição. Vocês terão bênção, se obedecerem aos mandamentos do Senhor, o seu Deus, que hoje lhes estou dando; mas terão maldição, se desobedecerem aos mandamentos do Senhor, o seu Deus, e se afastarem do caminho que hoje lhes ordeno, para seguir deuses desconhecidos."(Dt 11:26-28).
  • "Respondeu o Senhor a Moisés: 'Riscarei do meu livro todo aquele que pecar contra mim'". (Ex 32:33).
  • "Sejam eles tirados do livro da vida e não sejam incluídos no rol dos justos." (Sl 69:28).
  • "Mas agora, eu te rogo, perdoa-lhes o pecado; se não, risca-me do teu livro que escreveste". (Ex 32:32).
  • "Se eu garantir ao justo que ele vai viver, mas ele, confiando em sua justiça, fizer o mal, nada de justo que fez será lembrado; ele morrerá por causa do mal que fez." (Ez 33:13).
  • "Quando eu disser a um ímpio que ele vai morrer, e você não o advertir nem lhe falar para dissuadi-lo dos seus maus caminhos para salvar a vida dele, aquele ímpio morrerá por sua iniqüidade; mas para mim você será responsável pela morte dele." (Ez 3:18).
  • "Portanto, ó nação de Israel, eu os julgarei, a cada um de acordo com os seus caminhos; palavra do Soberano Senhor. Arrependam-se! Desviem-se de todos os seus males, para que o pecado não cause a queda de vocês. Livrem-se de todos os males que vocês cometeram, e busquem um coração novo e um espírito novo. Por que deveriam morrer, ó nação de Israel?" (Ez 18:30-31).
  • "... o Senhor arrependeu-se de ter estabelecido Saul como rei de Israel." (1Sm 15.35).
  • "E se ele fizer o que eu reprovo e não me obedecer, então me arrependerei do bem que eu pretendia fazer em favor dele." (Jr 18:10).
  • "Eu mesmo disse: "Com que alegria eu a trataria como se tratam filhos e lhe daria uma terra aprazível, a mais bela herança entre as nações. Pensei que você me chamaria de ‘Pai’ e que não deixaria de seguir-me. Mas, como a mulher que trai o marido, assim vocês têm sido infiéis comigo, ó comunidade de Israel", declara o Senhor." (Jr 3:19-20).
Salomão apostatou-se da fé, tornou-se um idólatra no final de sua vida.
  • Salomão foi escolhido por Deus para ser filho de Deus e também para reinar: "Teu filho Salomão é quem edificará a minha casa e os meus átrios, porque o escolhi para filho e eu lhe serei por pai" (1 Cr 28:6).
  • "Tendo Salomão acabado de orar, desceu fogo do céu e consumiu o holocausto e os sacrifícios; e a glória do SENHOR encheu a casa".(2 Cr 7:1).
  • "Amou Salomão muitas mulheres estrangeiras, mulheres das nações de que havia o SENHOR dito aos filhos de Israel:Não caseis com elas, pois vos perverteriam o coração, para seguirdes os seus deuses. A estas se apegou Salomão pelo amor. Tinha setecentas mulheres, princesas e trezentas concubinas; e suas mulheres lhe perverteram o coração. Sendo já velho, suas mulheres lhe perverteram o coração para seguir outros deuses; e o seu coração não era de todo fiel para com o SENHOR, seu Deus, como fora o de Davi, seu pai." (1 Rs 11:1-4).
  • "Pelo que o SENHOR se indignou contra Salomão, pois desviara o seu coração do SENHOR... Visto que assim procedeste e não guardaste a minha aliança, nem os meus estatutos que te mandei, tirarei de ti este reino e o darei a teu servo." (1 Rs 11:9-11)
  • "Será, porém, que, se de qualquer modo te esqueceres do SENHOR teu Deus, e se ouvires outros deuses, e os servires, e te inclinares perante eles, hoje eu testifico contra vós que certamente perecereis." (Dt 8:19).
  • Paulo disse que, embora os hebreus tenham sido batizados em Moisés, no mar e na nuvem, a maioria deles pereceu no deserto devido a incredulidade, imoralidade e idolatria (1 Co 10:1-5). Paulo adverte que essas coisas servem de exemplo para nós que fazemos parte da Igreja (1Co 10.6). E arremata dando a seguinte mensagem de alerta aos cristãos: “Aquele, pois, que pensa estar em pé, cuide para que não caia” (1 Co 10:12). Portanto, a apostasia dos judeus serve de sinal de alerta para os cristãos. Vejamos a seguir como a apostasia é um perigo real para os membros da Igreja.

A apostasia é também possível para um cristão:

Apostasia (em grego antigo απόστασις [apóstasis], "estar longe de") significa um afastamento definitivo e deliberado de Cristo, uma renúncia de sua fé e da sã doutrina. Um cristão ou igreja são apóstatas quando deixam de seguir os fundamentos da Palavra de Deus, desviando-se da verdadeira fé e voltando-se para uma vida de escravidão ao pecado.
  • "O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios." (1Tm 4:1).
  • "Cuidado, irmãos, para que nenhum de vocês tenha coração perverso e incrédulo, que se afaste do Deus vivo." (Hb 3:12).
  • "Não deixem que ninguém os engane de modo algum. Antes daquele dia virá a apostasia e, então, será revelado o homem do pecado, o filho da perdição." (2Ts 2:3).
  • "Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida." (Ap 2:10)
  • "Mas o meu justo viverá pela fé. E, se retroceder, não me agradarei dele" (Hb 10:38).
  • "desde que continuem alicerçados e firmes na fé, sem se afastarem da esperança do evangelho (Cl 1:23).
  • "Se alguém não permanecer em mim, será como o ramo que é jogado fora e seca. Tais ramos são apanhados, lançados ao fogo e queimados".  (Jo 15:6).
  • "Por meio deste evangelho vocês são salvos, desde que se apeguem firmemente à palavra que lhes preguei; caso contrário, vocês têm crido em vão." (1Co15:2).
  • "Se alguém tirar alguma palavra deste livro de profecia, Deus tirará dele a sua parte na árvore da vida e na cidade santa, que são descritas neste livro." (Ap 22:19).
  • "Dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua imoralidade sexual, mas ela não quer se arrepender". (Ap 2.21).
  • Só ao vencedor é prometido que não será o seu nome apagado do livro da vida: "O vencedor será igualmente vestido de branco. Jamais apagarei o seu nome do livro da vida, mas o reconhecerei diante do meu Pai e dos seus anjos." (Ap 3:5).
  • "Conservando a fé, e a boa consciência, a qual alguns, rejeitando, fizeram naufrágio na fé. E entre esses foram Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar." (1Tm 1:19-20).
  • "Porque já algumas se desviaram, indo após Satanás." (1Tm 5:15).
  • "Porque DEMAS me desamparou, amando o presente século" (2Tm 4:10).
  • "Como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação?..." (Hb 2:3).
  • "Se continuarmos a pecar deliberadamente depois que recebemos o conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados,
  • mas tão-somente uma terrível expectativa de juízo e de fogo intenso que consumirá os inimigos de Deus. (Hb 10:26-27).
  • "Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca." (Ap 3:16).
  • "Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo... que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado. Porque nos temos tornado participantes de Cristo, se, de fato, guardarmos firme, até ao fim, a confiança que, desde o princípio, tivemos... não endureçais o vosso coração..." (Hb 3:12-15).
  • "Se, tendo escapado das contaminações do mundo por meio do conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, encontram-se novamente nelas enredados e por elas dominados, estão em pior estado do que no princípio." (2Pe 2:20).


Advertências por conta do perigo da apostasia:

Por que razão haveriam tantas advertências se a apostasia não fosse um risco real para os membros do Corpo de Cristo? Por que os crentes deveriam tomar cuidado para não cair, se não estão, em hipótese alguma, sujeitos à queda?
  • "Estejam vigilantes, mantenham-se firmes na fé, sejam homens de coragem, sejam fortes". (1Co 16:13).
  • "Não Extingais o Espírito" (1 Ts 5.19).
  • “Desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor” (Fp 2.12), pois “...de Deus somos cooperadores” (1Co 3:9).
  • "Empenhem-se para serem encontrados por ele em paz, imaculados e inculpáveis" (2 Pe 3.14).
  • "Não sabeis que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? correi de tal maneira que o alcanceis" (1Co 9.24,25).
  • "Combata o bom combate da fé. Tome posse da vida eterna, para a qual você foi chamado e fez a boa confissão na presença de muitas testemunhas". (1Tm 6:12).
  • "Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, atentando, diligentemente, por que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus" (Hb 12.14-15).
  • Precisamos tomar cuidado para confirmar o nosso chamado e eleição, precisamos cuidar para não tropeçar (2 Pe 1.10), pois é desta maneira que nos será amplamente suprida a entrada no reino eterno (2 Pe 1.11).
  • "É perseverando que vocês obterão a vida" (Lc 21:19).
  • “Aquele que perseverar até o fim será salvo” (Mc 13.13; Jo 8.31),
  • “ao vencedor, que guardar até o fim as minhas obras...” (Ap 2.26).
  • "Nenhum soldado se deixa envolver pelos negócios da vida civil, já que deseja agradar aquele que o alistou. Semelhantemente, nenhum atleta é coroado como vencedor, se não competir de acordo com as regras... Por isso, tudo suporto por causa dos eleitos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus, com glória eterna. Esta palavra é digna de confiança: Se morremos com ele, com ele também viveremos; se perseveramos, com ele também reinaremos. Se o negamos, ele também nos negará" (2Tm 2:4-12).
  • Pedro adverte: “Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, foram outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro. Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviaram-se do santo mandamento que lhes fora dado. Deste modo sobreveio-lhes o que por um verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu próprio vômito, e a porca lavada ao lamaçal” (2 Pe 2:20-22).
  • O autor de Hebreus também adverte para o risco de se perder a salvação e da necessidade da perseverança para se alcançar a promessa: "Ora para aqueles que uma vez foram iluminados, provaram o dom celestial, tornaram-se participantes do Espírito Santo,
  • experimentaram a bondade da palavra de Deus e os poderes da era que há de vir, e caíram, é impossível que sejam reconduzidos ao arrependimento; pois para si mesmos estão crucificando de novo o Filho de Deus, sujeitando-o à desonra pública. (Hb 6:4-6).
  • O autor de Hebreus apresenta uma boa ilustração sobre o relacionamento da graça de Deus e as boas ações humanas, demonstrando que aqueles que recebem a graça devem produzir os respectivos e esperados frutos: "Porque a terra que absorve a chuva que frequentemente cai sobre ela e produz erva útil para aqueles por quem é também cultivada recebe bênção da parte de Deus, mas, se produz espinhos e abrolhos, é rejeitada e perto está da maldição; e o seu fim é ser queimada" (Hb 6.7-8).
  • Esta é a mesma lição que Jesus dá nas parábolas do Talentos (Mt 25.14-30), dos Lavradores Maus (M 21.17-44), Servo Infiel (Mt 24.45-51; Lc 12.35-48), Dez Virgens (Mt 25.1-13), Julgamento das Nações (Mt 25.31-46), Parábola da Figueira infrutífera (Lc 13.6-9). O ensino é claro, quem não multiplica o talento, os lavradores maus, os servos infiéis, as virgens imprudentes, os mau feitores, a figueira infrutífera, todos são réus no juízo final. O ramo, mesmo estando ligado a Videira Verdadeira, se não der fruto, está pronto para ser cortado e lançado fora (Jo 15.2), assim também o sal que se tornar insípido e imprestável é jogado fora (Mt 5.13).
  • "Filhinhos, guardai-vos dos ídolos." (1Jo 5:21).
  • "Sejam sóbrios e vigiem. O diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar". (1 Pe 5:8).
  • "Felizes os servos cujo senhor os encontrar vigiando, quando voltar. Eu lhes afirmo que ele se vestirá para servir, fará que se reclinem à mesa, e virá servi-los." (Lc 12:37).
  • "Ele dará vida eterna aos que, persistindo em fazer o bem, buscam glória, honra e imortalidade." (Rm 2:7).
  • "Pois tudo o que foi escrito no passado, foi escrito para nos ensinar, de forma que, por meio da perseverança e do bom ânimo procedentes das Escrituras, mantenhamos a nossa esperança". (Rm 15:4).
  • "Vocês precisam perseverar, de modo que, quando tiverem feito a vontade de Deus, recebam o que ele prometeu; pois em breve, muito em breve "Aquele que vem virá, e não demorará. Mas o meu justo viverá pela fé. E, se retroceder, não me agradarei dele". Nós, porém, não somos dos que retrocedem e são destruídos, mas dos que crêem e são salvos. (Hb 10.36-39).
  • "Visto que você guardou a minha palavra de exortação à perseverança, eu também o guardarei da hora da provação que está para vir sobre todo o mundo, para pôr à prova os que habitam na terra." (Ap 3:10).
  • "Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta", (Hb 12:1)


E quanto aos principais textos utilizados em defesa da tese contrária e outras objeções?

  • "Eles saíram do nosso meio, mas na realidade não eram dos nossos, pois, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; o fato de terem saído mostra que nenhum deles era dos nossos." (1Jo 2:19). 
  • Devemos observar aqui que João está escrevendo depois da apostasia deste grupo contrastando-os com aqueles que permaneceram firmes na sã doutrina. É evidente, agora, que não se tratam de cristãos genuínos. Desviaram-se do santo caminho por terem abraçado doutrinas destruidoras. Não quer dizer que nunca tenham sido cristãos ou que jamais tenham professado a sã doutrina. João sugere que o pecado deles é do tipo imperdoável (1Jo 5.16). A gravidade de tal pecado a ponto de torná-lo imperdoável parece mesmo apontar para o pecado da apostasia de verdadeiros cristãos, pois o afastamento daqueles que nunca foram crentes não poderia incorrer em tão grave juízo. O autor de Hebreus também fala deste pecado imperdoável que é o desvio da fé por parte daqueles que, de fato, foram um dia verdadeiros cristãos: "Ora para aqueles que uma vez foram iluminados, provaram o dom celestial, tornaram-se participantes do Espírito Santo, experimentaram a bondade da palavra de Deus e os poderes da era que há de vir, e caíram, é impossível que sejam reconduzidos ao arrependimento; pois para si mesmos estão crucificando de novo o Filho de Deus, sujeitando-o à desonra pública." (Hb 6:4-6); E "Quão mais severo castigo, julgam vocês, merece aquele que pisou aos pés o Filho de Deus, que profanou o sangue da aliança pelo qual ele foi santificado, e insultou o Espírito da graça?" (Hb 10:29). 
  • A apostasia destes que se tornaram hereges segue sendo uma ameaça para o grupo dos "nossos", denominados de "filhinhos" e que no momento presente possuem a "unção" do Espírito, tanto que João os adverte no final deste capítulo, dizendo-lhes: "Filhinhos, agora permaneçam nele para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança e não sejamos envergonhados diante dele na sua vinda." (1Jo 2:28). Tal exortação seria totalmente desproposital se não houvesse real perigo de apostasia para os verdadeiros cristãos. Estes mesmos "filhinhos", "nascidos de Deus" e que "tem vencido o maligno", precisam cuidar para não se desviarem após falsos deuses: "Filhinhos, guardem-se dos ídolos." (1Jo 5:21).

  • "Enquanto estava com eles, eu os protegi e os guardei pelo nome que me deste. Nenhum deles se perdeu, a não ser aquele que estava destinado à perdição, para que se cumprisse a Escritura." (Jo 17:12).
  • Em João 17.12, Jesus está se referindo aos 12 apóstolos e não a comunidade geral de cristãos. Dos doze, apenas um se perdeu. Deus na sua onisciência sabia quais perseverariam até o fim, e, baseado nisto, os entregou a Cristo para comporem o colégio apostólico.

  • "Nada pode nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus" (Rm 8.35). 
  • "Todo o que o Pai me der virá a mim, e quem vier a mim eu jamais rejeitarei". (Jo 6:37)
  • Nada exterior, no entanto, existe o perigo de nós mesmos nos afastarmos do amor de Deus, negligenciando a esta tão grande salvação (Hb 2.3), dando lugar a um coração incrédulo e perverso que nos afasta do Deus vivo (Hb 3:12). O amor de Deus por nós é firme, mas o nosso por Ele pode acabar esfriando: "Devido ao aumento da maldade, o amor de muitos esfriará" (Mt 24:12). Só pode esfriar o que um dia foi quente.   Por isso é necessário permanecer neste amor: "Deus é amor. Todo aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele." (1Jo 4:16). Caso contrário, corremos o risco de chegar ao ponto de negar o Senhor que nos resgatou (2Pe 2.2). 
  • O que se achega a Cristo com fé jamais é rejeitado por Cristo, mas sabemos que os discípulos tem recebido de Cristo a liberdade para se afastarem se assim o desejarem: "Quereis vós também retirar-vos?" (Jo 6:67).



  • Se a salvação do crente depende de sua perseverança, então, já não é por graça e sim por mérito próprio.

    • De maneira alguma! Somos salvos pela graça e é por meio desta mesma graça que conseguimos forças para perseverar até o fim. Nós o amamos, porque primeiramente Ele nos amou. O ramo que está na Videira Verdadeira, recebe dela tudo o que é necessário para produzir o devidos frutos, mas se não o faz, está prestes a ser cortado e lançado fora (João 15). "Se alguém não permanece em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem.” (Jo 15.2,6). Lição semelhante encontramos em Isaías 5, que conta que Deus plantou uma vinha, dando a ela todas as condições necessárias para produzir uvas boas, mas... " "Agora, habitantes de Jerusalém e homens de Judá, julguem entre mim e a minha vinha. Que mais se poderia fazer por ela que eu não tenha feito? Então, por que só produziu uvas azedas, quando eu esperava uvas boas? Pois, eu lhes digo o que vou fazer com a minha vinha: Derrubarei sua cerca para que ela seja tranformada em pasto; derrubarei o seu muro para que seja pisoteada. (Isaías 5:3-5). Portanto, o ramo ou a vinha nada podem produzir sem a graça de Deus, mas tendo recebido a graça, possuem agora o dever de produzirem os respectivos frutos, se não... Os frutos cristão são frutos do Espírito! Assim como nascemos do Espírito, devemos também andar em Espírito!

    • Se um verdadeiro crente pode renunciar à fé, então, Cristo já não pode mais ser o autor e consumador da fé. 
    • Jesus é o autor e consumador da fé no sentido de que a fé vem pelo ouvir a mensagem do Evangelho e também é sustentada pela graça e obra do Espírito de Cristo em nós. Sem Cristo nada podemos fazer! Mas, com sua graça, devemos nos esforçar para desenvolver a nossa salvação com temor e tremor, permanecendo firmes na fé. Devemos produzir os devidos frutos do Espírito, se não, corremos o risco de sermos cortados e lançados fora (Jo 15). Certamente, o Senhor nos socorrerá em nossas fraquezas. Recebemos muita graça para poder vencer, mas devemos ser vigilantes, pois o perigo da apostasia é real: "Cuidado, irmãos, para que nenhum de vocês tenha coração perverso e incrédulo, que se afaste do Deus vivo." (Hb 3:12). "Porque a terra que absorve a chuva que frequentemente cai sobre ela e produz erva útil para aqueles por quem é também cultivada recebe bênção da parte de Deus, mas, se produz espinhos e abrolhos, é rejeitada e perto está da maldição; e o seu fim é ser queimada" (Hb 6.7-8).


    Considerações finais:
    • Não se perde a salvação a cada pecado. Isso é um caso extremo quando a pessoa escolhe apostatar:
      • "Ora para aqueles que uma vez foram iluminados, provaram o dom celestial, tornaram-se participantes do Espírito Santo, experimentaram a bondade da palavra de Deus e os poderes da era que há de vir, e caíram, é impossível que sejam reconduzidos ao arrependimento; pois para si mesmos estão crucificando de novo o Filho de Deus, sujeitando-o à desonra pública." (Hb 6:4-6).
      • "Se continuarmos a pecar deliberadamente depois que recebemos o conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados, mas tão-somente uma terrível expectativa de juízo e de fogo intenso que consumirá os inimigos de Deus. Quem rejeitava a lei de Moisés morria sem misericórdia pelo depoimento de duas ou três testemunhas. Quão mais severo castigo, julgam vocês, merece aquele que pisou aos pés o Filho de Deus, que profanou o sangue da aliança pelo qual ele foi santificado, e insultou o Espírito da graça? Pois conhecemos aquele que disse: "A mim pertence a vingança; eu retribuirei"; e outra vez: "O Senhor julgará o seu povo". Terrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo!" (Hb 10:26-31).
    • Alguns se desviam por abraçar heresias de perdição:  
      • "E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição". (2Pe 2.2).
    • O cristão não está abandonado a si mesmo.
      • Temos recebido de Deus todas as condições para perseverarmos até o fim (2Pe 1.3). O Senhor cuida de nós! Nada pode nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus (Rm 8.35). Nada exterior, no entanto, existe o perigo de nós mesmos virmos a negligenciar a esta tão grande salvação (Hb 2.3), esfriando nosso próprio amor por Deus (Mt 24.12), a ponto de negar o Senhor que nos resgatou (2Pe 2.2). Deus não quer filhos contrariados dentro de sua casa. O Filho Pródigo teve liberdade de abandonar o lar paterno. E Jesus, após o abandono de muitos seguidores, voltou-se para os Doze e perguntou-lhes: "Quereis vós também retirar-vos?" (Jo 6:67).
      • Domínio próprio, que é um fruto do Espírito, significa que uma pessoa recebe do Espírito Santo a capacidade de controlar-se a si mesma. Não se trata aí de estar debaixo do controle de outro, nem mesmo de Deus. Deus não quis por cabresto no homem, pois não trata o ser humano como se fosse uma mula (Sl 32.9). Ele não quer que o ser humano tome decisões debaixo de qualquer força coerciva (Zc 4.6), mas de livre e espontânea vontade (Jr 29.13; Mt 16.24; 23.37 e Ap 22.17). Ele quer ser adorado em espírito e em verdade; deseja ser amado de fato! Neste complexo mundo em que vivemos, Deus busca verdadeiros adoradores (Jo 4.23)!
      • Portanto, devemos fazer a nossa parte para o bom desenvolvimento de nossa salvação (Fp 2.12), para vencermos o bom combate, perseverando na fé e na sã doutrina (Mc 13.13; 1Tm 4:1). As advertências são inúmeras devido ao perigo de nos afastarmos da fé. Devemos vigiar sem perder a confiança! Nossa segurança está em Cristo. Distante Dele não há salvação. Por isto a exortação de nosso Senhor: "Permaneçam no meu amor"! (Jo 15.9).

    Bispo Ildo Mello

    A apostasia do Rei Salomão

    https://www.youtube.com/watch?v=7Sxpg_PJVJE

    Palestra: "Deus não trata o ser humano como mula"

    http://youtu.be/U3BUAkLDPr0


    quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

    Deus não trata o ser humano como mula

    Deus não trata o ser humano como mula. Nunca foi seu plano colocar cabresto para controlar o homem, pois deseja que as pessoas o amem e obedeçam-lhe de livre e espontânea vontade.
    "Não sejais como o cavalo ou a mula, sem entendimento, os quais com freios e cabrestos são dominados; de outra sorte não te obedecem." (Salmos 32:9).

    Arminianismo X Calvinismo - Vejam Só: Deus controla tudo o que acontece?

    terça-feira, 2 de dezembro de 2014