quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

A falaciosa distinção entre "logos" e "rhema"


Cuidado com as invencionices dos hereges que deturpam a palavra de Deus para confundirem os seguidores de Cristo. Não caia na armadilha daqueles que ensinam haver duas espécies de palavra de Deus, baseados em uma forçada e ilusória distinção entre os termos gregos "logos" e "rhema" que significam "palavra". Eles dizem que "logos" é usado para designar a palavra genérica e objetiva de Deus para todos os homens enquanto que "rhema" seria uma palavra mais subjetiva comunicada pelo Espírito para um indivíduo em particular que, no caso, deve apropiar-se dela como sua, reivindicando, exigindo e chegando mesmo ao ponto de dar ordens para Deus, usando "rhema" como uma varinha de condão que sujeita Deus aos nossos caprichos, como o gênio da lâmpada o era a Aladim. Um disparate que não condiz com o ensino bíblico, mas que tem muito a ver com neurolinguística, estendendo suas raízes até o gnosticismo antigo combatido pelos apóstolos, e que subsiste hoje em dia nas heresias da seita ciência cristã e, mais recentemente, no movimento de confissão positiva com sua teologia da prosperidade. Por conta disto, nota-se também o surgimento de mais e mais cristãos que passam a menosprezar o "logos" de Deus em busca da palavra "rhema", supostamente mais viva e poderosa.

No entanto, os termos gregos "logos" e "rhema" são utilizados indiscriminadamente no Novo Testamento quando fazem referencia a "palavra" de Deus. Um claro exemplo disto, encontramos na Primeira Epístola de Pedro, quando ele usa os termos "logos" e "rhema" de modo indistinto para designar a palavra de Deus: "Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra (logos) de Deus, viva, e que permanece para sempre. Porque Toda a carne é como a erva, E toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor; Mas a palavra (rhema) do Senhor permanece para sempre (1 Pe 1:23-25). 

Portanto, qualquer tentativa de separar a Palavra de Deus em duas categorias é artificial, fantasiosa e produz heresias. "Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração  (Hb 4:12). A palavra de Deus, ou seja, toda a palavra de Deus é viva e eficaz e não uma em especial, como Jesus ressaltou: "Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus (Mt 4:4). 



Bispo Ildo Mello

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Por que o jugo de Jesus é suave?

O jugo é usado para compartilhar o peso da carga entre dois animais de modo a tornar mais fácil a jornada. O peso não é tirado, mas aliviado. Jesus não promete uma vida sem cargas e aflições, mas nos oferece poderoso auxílio e vitória (Jo 16.33). 
A cruz não é só de Cristo, mas também do discípulo (Lc 9.23). O triunfo de Cristo na cruz nos concede força para carregarmos as cruzes de nossa existência (Cl 2.15). Há um fardo a ser carregado, no entanto, não estamos sós, contamos com o jugo de Cristo que nos alivia a carga e dele aprendemos a humildade e a mansidão que nos traz paz e descanso à caminho da plena vitória!
Disse Jesus: "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve" (Mt 11.28-30).
Mateus 11:28-30
O jugo é usado para compartilhar o peso da carga entre dois animais de modo a tornar mais fácil a jornada. O peso não é tirado, mas aliviado. Jesus não promete uma vida sem cargas e aflições, mas nos oferece poderoso auxílio e vitória (Jo 16.33).

A cruz não é só de Cristo, mas também do discípulo (Lc 9.23). O triunfo de Cristo na cruz nos concede força para carregarmos as cruzes de nossa existência (Cl 2.15). Há um fardo a ser carregado, no entanto, não estamos sós, contamos com o jugo de Cristo que nos alivia a carga e dele aprendemos a humildade e a mansidão que nos traz paz e descanso enquanto ainda estamos à caminho da plena vitória!

Disse Jesus: "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve" (Mt 11.28-30).

Bispo Ildo Mello

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

As Quatro Dimensões do Amor de Deus



Quando vamos a praia e damos aquele mergulho, entramos em contato com as águas do imenso oceano Atlânico. O que os nossos olhos conseguem ver já é algo impressionante, mas trata-se apenas de uma ínfima fração deste vasto mar. Uma viagem de navio ou de avião pode nos ajudar a ter uma idéia melhor do seu tamanho, mas estaríamos apenas tendo um vislumbre da superfície. Com um submarino, poderíamos penetrar em suas profundezas. Mas quanto tempo seria necessário para viajarmos por todo o seu interior? Quem saberia dizer quantos litros d'água tem o oceano Atlântico? Cientistas calculam que a quantidade seja de 354.700.000.000 litros de água! Você sabe o que isto significa? Muita, mas muita água mesmo! Bem, mas o Atlântico nem é o maior dos oceanos. E muito maior do que todos os oceanos juntos é o amor de Deus. 

Nós somos banhados pelo amor de Deus, mas costumamos não fazer ideia de sua dimensão. Por isto é que o Apóstolo Paulo ora pedindo a Deus que nos ajude a compreender melhor a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade deste imensurável amor (Ef 3:18), o que servirá de raiz e alicerce para o nosso crescimento e fortalecimento espiritual (Ef 3.17) 


Muitos duvidam do amor de Deus ou tem uma ideia deturpada dele. Deus prova o seu amor pelo fato de Cristo ter morrido por nós quando nós ainda éramos pecadores. O Pai amou seu filho pródigo, acolhendo-o carinhosamente de braços abertos (Lc 15.20). Assim como o profeta Oséias amou sua esposa infiel, perdoando-a e lhe concedendo mais uma oportunidade (Os 3.1 e 11.8), assim Deus também ama a todos os pecadores de maneira tal que enviou seu único filho para morrer no lugar deles para que eles pudessem através da fé alcançar a vida eterna (Jo 3.16).


Deus é amor, mas quando ignoramos isto estamos sujeitos a opressão e derrota, como disse Deus: "O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento" (Os 4.6). O conhecimento de Deus e de sua misericórdia é o maior dever religioso (Os 6.6). "Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor" (Os 6:3a).

Bispo Ildo Mello